sicnot

Perfil

País

PS sobe nas intenções de voto, Marcelo lidera popularidade

SONDAGEM

PS sobe nas intenções de voto, Marcelo lidera popularidade

Se as eleições legislativas fossem hoje o Partido Socialista venceria, sem maioria, mas com mais votos que há um mês. No barómetro SIC/Expresso, Marcelo Rebelo de Sousa continua a liderar destacado na popularidade dos políticos.

Com 34,8% das intenções de voto. o PS começa assim a destacar-se do PSD, embora com uma subida ligeira. Em sentido contrário, sociais-democratas descem três décimas e ficam a mais de três pontos dos socialistas.

A terceira força política continua a ser o Bloco de Esquerda, com 9,6%., pequena descida face ao mês passado - o mesmo valor que faz subir a CDU para os 8,4%.

O CDS tem a maior queda, sete décimas, para os 7%, ao contrário do PAN que sobe para 1,7%.

No campeonato da popularidade, sem surpresas Marcelo Rebelo de Sousa continua a reinar e a somar pontos: vai nos 56,3%.

António Costa também está em alta e ultrapassa a barreira dos 25 pontos positivos. Catarina Martins mantém-se acima dos 17%; Assunção Cristas vem a seguir quase nos 13%; Passos Coelho sobe ligeiramente face ao último barómetro, fica nos 12,3%, e, a fechar, Jerónimo de Sousa também com popularidade positiva.

O estudo de opinião é da Eurosondagem, foi feito entre os dias 5 e 11 de maio através de 1031 entrevistas telefónicas validadas. O erro máximo da amostra é de pouco mais de 3%.

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.