sicnot

Perfil

País

Ministro da Saúde manda averiguar casos do Hospital do Barreiro

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, disse hoje que pediu à Inspeção Geral das Atividades em Saúde e ao Hospital do Barreiro que esclarecesse os casos de doentes oncológicos sem tratamento.

TIAGO PETINGA

Falando aos jornalistas à margem do encerramento do 8.º Encontro Nacional das Unidades de Saúde Familiar, afirmou aguardar o esclarecimento do Hospital, "que tomou logo a iniciativa de diligenciar nesse sentido internamente" e da Inspeção Geral das Atividades em Saúde, a quem pediu uma averiguação.

A SIC noticiou que três doentes oncológicos não fizeram quimioterapia depois das cirurgias porque o Hospital do Barreiro deixou ultrapassar o chamado tempo útil e depois disso o tratamento não tem eficácia.

Em comunicado enviado à Lusa, o conselho de administração do Centro Hospitalar Barreiro Montijo (CHBM) confirmou "a existência de três situações em que não terão ocorrido, em tempo, os tratamentos oncológicos coadjuvantes, por perda da janela terapêutica útil".

Adalberto Campos Fernandes classificou hoje como "inaceitável o que é indiciado", alertando, no entanto, para a necessidade de prudência para não haver juízos precipitados, antes de ser devidamente averiguado o que se passou.

"Sabemos que temos um Serviço Nacional de Saúde de grande dimensão e qualidade que, infelizmente, é pontuado aqui e ali por circunstâncias que não deviam existir. Vamos fazer tudo para que cada vez menos episódios destes possam ocorrer", comentou.

"Temos de melhorar todos porque a confiança que os portugueses têm no Serviço Nacional de Saúde não pode ser abalada por este tipo de acontecimentos", concluiu.

Lusa

  • "Estamos a investir na nossa própria desgraça"
    0:37
  • Saída dos EUA do acordo de Paris é "uma vergonha"

    Mundo

    O ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry considerou esta terça-feira "uma vergonha" a decisão do Presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo do clima de Paris, garantindo que o povo não acompanha esse gesto de "autodestruição".

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43