sicnot

Perfil

País

Cristas sugere que dono das escolas não deve ser critério para financiamento

Cristas sugere que dono das escolas não deve ser critério para financiamento

Assunção Cristas sugere que o dono das escolas não deve ser critério para o financiamento. Durante uma visita a um colégio em Coimbra, a líder do CDS-PP defendeu que os pais devem poder escolher.

"Se uma escola é melhor, se tem melhores resultados, se os pais a preferem e se não é mais caro que uma escola estatal porque é que não há de ser essa turma nessa escola que deve prosseguir", questionou Assunção Cristas, que falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Colégio Apostólico da Imaculada Conceição (CAIC), em Coimbra.

Com "o problema da natalidade" a criar uma falta de crianças "para encher as escolas", será necessário perceber o que se quer: "se queremos olhar para a escolha dos pais, para a preferência dos pais, para a qualidade do ensino, olhar para os custos, certamente, ou se queremos olhar simplesmente para o dono da escola", afirmou.

"O Estado deve intervir menos, dar mais liberdade à escola, independentemente de ser do setor estatal ou não", defendeu, negando que haja alguma incoerência entre a posição que o CDS defende para a Economia (menor peso do Estado) e a manutenção do financiamento público de escolas privadas.

A líder centrista sublinhou que a liberdade deve estar presente não apenas na definição dos projetos educativos de cada escola, mas também no momento em que os pais fazem a escolha do estabelecimento de ensino no querem ter o seu filho.

Assunção Cristas voltou a criticar a posição do PS, que considera que está "capturado claramente por uma agenda das esquerdas mais radicais", que defendem que "deve ir tudo para a escola estatal e as outras só devem aparecer quando não há oferta ou possibilidade de acomodar as crianças na escola estatal".

"Se nós olharmos para o histórico do partido socialista e de ministros de governos socialistas nesta matéria, acho que não estarei a fugir à verdade se disser que [o PS] certamente teria uma posição diferente", considerou.

Para a líder do CDS-PP, é necessário alterar "o despacho normativo" que revê os contratos de associação com estabelecimentos de ensino privado e cooperativo, considerando que esse mesmo documento "põe em causa o cumprimento dos contratos, como foram definidos para os três anos".

Segundo Assunção Cristas, questões como a área geográfica, continuidade entre ciclos de ensino e alunos com necessidades educativas especiais são alguns dos aspetos que terão de ser revistos para se garantir um "cabal cumprimento do acordo que foi feito".

A dirigente do CDS visitou esta manhã o CAIC de Coimbra, um dos colégios de Coimbra com contrato de associação.

Segundo a Federação Nacional de Professores (Fenprof), Coimbra é um dos concelhos com maior desperdício de dinheiro público com contratos de associação no ensino particular e cooperativo.

De acordo com um estudo do docente António Rochete, da Universidade de Coimbra, citado pela Fenprof, 80% dos contratos de associação existentes no concelho não seriam necessários face à capacidade de oferta da escola pública.

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.