sicnot

Perfil

País

Cada vez mais venezuelanos procuram Portugal

Cada vez chegam mais venezuelanos a Portugal, que fogem da instabilidade e insegurança no seu país, e muitos vêm em família e sem emprego, alertou hoje o responsável de uma associação de apoio a emigrantes.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Há um ano, a Venexos, associação de ajuda a venezuelanos em Portugal, recebia, por semana, cerca de 30/40 mensagens de pessoas a fazer perguntas ou a dizer que queriam vir para o país. Atualmente, chegam à associação 30 mensagens por dia, disse à Lusa o seu presidente, Christian Höhn, que está em Portugal há 17 anos.

De acordo com o responsável, há cerca de 100 mil venezuelanos em Portugal (números não oficiais), dos quais mais de metade com dupla nacionalidade. O presidente da associação aponta ainda para a existência de cerca de 1.800 venezuelanos ilegais no país.

Christian Höhn participava hoje, em Lisboa, no debate "Falemos da Venezuela", promovido pelos eurodeputados José Inácio Faria (Movimento Partido da Terra) e Carlos Coelho (PSD), que coincidiu com a realização em Lisboa, no parlamento português, de uma reunião da Assembleia Parlamentar Euro-Latino-americana (EuroLat), instituição parlamentar de associação estratégica entre a União Europeia e os países latino-americanos.

O presidente da Venexos afirmou que o aumento de imigrantes venezuelanos em Portugal se tem verificado nos últimos seis meses - coincidentes com o pós-eleições na Venezuela, onde se mantém um impasse desde que a oposição obteve uma vitória histórica nas eleições legislativa, em dezembro passado.

No último trimestre, chegaram a Portugal 37 famílias, "sem qualquer ligação" a Portugal: "Vieram diretamente para cá. Foi o primeiro sítio para onde conseguiram vir", descreveu, afirmando que "não é fácil ouvir a realidade destas pessoas, que são engenheiros, arquitetos, advogados, médicos, que não conseguem exercer" as suas profissões na Venezuela.

"Não tem a ver com política, tem a ver com os direitos humanos simples, que são violados todos os dias na Venezuela", alertou Christian Höhn, visivelmente emocionado.

A insegurança e os problemas económicos do país são as principais razões que levam os venezuelanos a emigrar, de acordo com o venezuelano Tomás Páez, doutorado em Planificação, que apresentou o livro "A voz da diáspora venezuelana" - estimada em 1,5 milhões de pessoas.

Para Paéz, os emigrantes são "um imenso capital" que pode ajudar à reconstrução do país.

O professor fez votos de que o apoio internacional prevaleça e que "o Eurolat e a Comissão Europeia respondam", defendendo que "os prazos do referendo sejam respeitados para que este se possa realizar e se possa sair democrática e pacificamente da situação grave em que se encontra o país", numa referência à consulta popular contra o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que a oposição reclama na Venezuela, mas que é rejeitada pelo Governo.

Também emocionado, Leopoldo López Gil, pai de Leopoldo López Mendoza, candidato presidencial do Partido Voluntad Popular, detido desde 2014, afirmou que a "Venezuela real" é o país onde as mães rezam para que os filhos cheguem a casa à noite, os jovens tiram cursos e não encontram trabalho, e as pessoas fazem filas para comprar comida e, na caixa, percebem que está tão cara que não conseguem pagar.

Mitzy Capiles, mulher do presidente da Câmara de Caracas, António Ledezma, opositor do regime de Nicolás Maduro, detido há mais de um ano, afirmou que atualmente "toda a gente se apercebe, no mundo, que já não se vive em democracia" na Venezuela.

"A tristeza com que acordamos todos os dias não se pode descrever sem lágrimas. Mas também há esperança", defendeu, garantindo que a vitória da oposição nas eleições foi "um passo espetacular".

A mulher relatou que o Governo avisou que levará à justiça os venezuelanos que falem mal do país, mas avisou: "Aqui não estamos a falar mal, estamos a falar a verdade".

José Inácio Faria afirmou que o Parlamento Europeu "pode fazer muito" pela Venezuela, mas também pediu a intervenção do Governo português, lembrando que há 1,5 milhões de portugueses e lusodescendentes naquele país.

O eurodeputado do MPT afirmou que Portugal tem "responsabilidades muito grandes" em relação àquele país, recordando que anteriores governos, como os de José Sócrates (PS), tiveram "um relacionamento muito próximo" com o ex-Presidente Hugo Chavéz e agora com o Presidente Nicolás Maduro, nomeadamente a nível económico.

"Não oiço dos nossos governantes e políticos uma palavra de apoio" perante a atual instabilidade, criticou.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.