sicnot

Perfil

País

Demolições no bairro do Aleixo só no próximo mandato, diz Rui Moreira

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, apontou hoje para o "próximo mandato" novas demolições bairro do Aleixo, onde o anterior executivo implodiu duas das cinco torres de 13 andares.

LUSA

"Só permitiremos demolições no bairro do Aleixo depois de termos isto [habitação social nas Eirinhas, com conclusão prevista para final de 2017] e a travessa de Salgueiros prontos", afirmou o autarca, admitindo que tal só acontecerá no próximo mandato, depois das autárquicas do próximo ano.

Rui Moreira, que falava aos jornalistas à margem da apresentação do projeto de urbanização das Eirinhas, notou que as demolições do Aleixo não podem avançar antes de o fundo imobiliário Invesurb construir, em diversas zonas da cidade, a habitação social prevista como contrapartida pela demolição daquele bairro problemático de Lordelo do Ouro.

"Não vamos fazer agora demolições e espalhar as pessoas que ainda vivem no Aleixo pela cidade, porque isso seria péssimo para eles e para a cidade", afirmou o autarca.

De acordo com Rui Moreira, dessa forma a Câmara ia "gastar muito rapidamente o contingente de habitação social existente, uma vez que o mesmo "não é suficiente para os pedidos" que a autarquia recebe.

"Temos, neste momento, 700 pedidos. Se fizéssemos as demolições no Aleixo, rapidamente esgotaríamos o stock que estamos a disponibilizar a outras pessoas que precisam de casa", explicou.

Moreira admitiu que os moradores que ainda residem no Aleixo "vão ter de aguentar mais um ou dois anos" por realojamentos.

Segundo o autarca, até lá a Câmara pode aplicar "medidas pontuais, apenas", para melhor as condições de vida dos habitantes, disse Rui Moreira.

Numa proposta aprovada no fim de abril, a Câmara indicava um total de 11.959 metros quadrados de "área bruta de construção e reconstrução" a serem feitas em cinco locais da cidade pelo Fundo do Aleixo como contrapartida pela demolição daquele bairro.

O documento identifica as zonas de Mouzinho da Silveira (reabilitação de 502 metros quadrados de área bruta), Musas (reabilitação de 1.102 metros quadrados), bairro do Leal (construção e reabilitação de uma área total de 5.121 metros quadrados), Travessa de Salgueiros e Fernão de Magalhães (2,149 e 3.085 metros quadrados de construção nova).

Hoje, Rui Moreira explicou que o projeto de Fernão de Magalhães vai ser, afinal, aplicado nas Eirinhas, onde se prevê que o Invesurb aplique 2,9 milhões de euros para 48 fogos de habitação social.

A implosão da primeira torre do bairro foi feita a 16 de dezembro de 2011 e a segunda em abril de 2013, mas cerca de um ano depois, já com Rui Moreira na presidência da Câmara (sucedeu ao social-democrata Rui Rio), o Invesurb entrou em risco de liquidação por estar no limite do capital máximo admitido (cinco milhões de euros).

Em junho de 2014, a Câmara anunciou que, "depois de mais de dois anos de impasse, foi encontrada uma solução para o problema, com o grupo Mota-Engil a tornar-se parceiro e a investir cerca de dois milhões de euros no fundo.

A autarquia adiantava também a intenção de realojar mais de 300 moradores das três torres ainda por demolir no Bairro do Aleixo, graças à entrada da Mota-Engil como parceiro no fundo imobiliário criado para o efeito.

Lusa

  • Insolvência da Rioforte agrava situação do Fundo Imobiliário do Aleixo
    1:33

    País

    A insolvência da Rioforte agravou a situação do Fundo Imobiliário do Aleixo, que não tem dinheiro para prosseguir com a demolição das torres do bairro social e arrancar com a construção das novas habitações. O Invesurb precisa de mais de dois milhões de euros para continuar a operação, mas a Rioforte não quer investir e a Câmara do Porto não o faz enquanto não estiver concluída a auditoria ao fundo do Aleixo.

  • Detetadas irregularidades na gestão de Rui Rio no Bairro do Aleixo
    1:11

    Economia

    A auditoria feita ao Bairro do Aleixo, no Porto, aponta irregularidades à gestão de Rui Rio. De acordo com a notícia avançada pelo jornal Público o Fundo de Investimento Imobiliário sofreu alterações que premiaram privados em prejuízo da autarquia. O fundo terá financiado a demolição das Torres do Aleixo. O relatório preliminar foi entretanto pedido pelo actual presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, ao Departamento Municipal de Auditoria Interna. Rui Moreira diz que não se pode pronunciar até o relatório estar concluído.

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".