sicnot

Perfil

País

Demolições no bairro do Aleixo só no próximo mandato, diz Rui Moreira

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, apontou hoje para o "próximo mandato" novas demolições bairro do Aleixo, onde o anterior executivo implodiu duas das cinco torres de 13 andares.

LUSA

"Só permitiremos demolições no bairro do Aleixo depois de termos isto [habitação social nas Eirinhas, com conclusão prevista para final de 2017] e a travessa de Salgueiros prontos", afirmou o autarca, admitindo que tal só acontecerá no próximo mandato, depois das autárquicas do próximo ano.

Rui Moreira, que falava aos jornalistas à margem da apresentação do projeto de urbanização das Eirinhas, notou que as demolições do Aleixo não podem avançar antes de o fundo imobiliário Invesurb construir, em diversas zonas da cidade, a habitação social prevista como contrapartida pela demolição daquele bairro problemático de Lordelo do Ouro.

"Não vamos fazer agora demolições e espalhar as pessoas que ainda vivem no Aleixo pela cidade, porque isso seria péssimo para eles e para a cidade", afirmou o autarca.

De acordo com Rui Moreira, dessa forma a Câmara ia "gastar muito rapidamente o contingente de habitação social existente, uma vez que o mesmo "não é suficiente para os pedidos" que a autarquia recebe.

"Temos, neste momento, 700 pedidos. Se fizéssemos as demolições no Aleixo, rapidamente esgotaríamos o stock que estamos a disponibilizar a outras pessoas que precisam de casa", explicou.

Moreira admitiu que os moradores que ainda residem no Aleixo "vão ter de aguentar mais um ou dois anos" por realojamentos.

Segundo o autarca, até lá a Câmara pode aplicar "medidas pontuais, apenas", para melhor as condições de vida dos habitantes, disse Rui Moreira.

Numa proposta aprovada no fim de abril, a Câmara indicava um total de 11.959 metros quadrados de "área bruta de construção e reconstrução" a serem feitas em cinco locais da cidade pelo Fundo do Aleixo como contrapartida pela demolição daquele bairro.

O documento identifica as zonas de Mouzinho da Silveira (reabilitação de 502 metros quadrados de área bruta), Musas (reabilitação de 1.102 metros quadrados), bairro do Leal (construção e reabilitação de uma área total de 5.121 metros quadrados), Travessa de Salgueiros e Fernão de Magalhães (2,149 e 3.085 metros quadrados de construção nova).

Hoje, Rui Moreira explicou que o projeto de Fernão de Magalhães vai ser, afinal, aplicado nas Eirinhas, onde se prevê que o Invesurb aplique 2,9 milhões de euros para 48 fogos de habitação social.

A implosão da primeira torre do bairro foi feita a 16 de dezembro de 2011 e a segunda em abril de 2013, mas cerca de um ano depois, já com Rui Moreira na presidência da Câmara (sucedeu ao social-democrata Rui Rio), o Invesurb entrou em risco de liquidação por estar no limite do capital máximo admitido (cinco milhões de euros).

Em junho de 2014, a Câmara anunciou que, "depois de mais de dois anos de impasse, foi encontrada uma solução para o problema, com o grupo Mota-Engil a tornar-se parceiro e a investir cerca de dois milhões de euros no fundo.

A autarquia adiantava também a intenção de realojar mais de 300 moradores das três torres ainda por demolir no Bairro do Aleixo, graças à entrada da Mota-Engil como parceiro no fundo imobiliário criado para o efeito.

Lusa

  • Insolvência da Rioforte agrava situação do Fundo Imobiliário do Aleixo
    1:33

    País

    A insolvência da Rioforte agravou a situação do Fundo Imobiliário do Aleixo, que não tem dinheiro para prosseguir com a demolição das torres do bairro social e arrancar com a construção das novas habitações. O Invesurb precisa de mais de dois milhões de euros para continuar a operação, mas a Rioforte não quer investir e a Câmara do Porto não o faz enquanto não estiver concluída a auditoria ao fundo do Aleixo.

  • Detetadas irregularidades na gestão de Rui Rio no Bairro do Aleixo
    1:11

    Economia

    A auditoria feita ao Bairro do Aleixo, no Porto, aponta irregularidades à gestão de Rui Rio. De acordo com a notícia avançada pelo jornal Público o Fundo de Investimento Imobiliário sofreu alterações que premiaram privados em prejuízo da autarquia. O fundo terá financiado a demolição das Torres do Aleixo. O relatório preliminar foi entretanto pedido pelo actual presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, ao Departamento Municipal de Auditoria Interna. Rui Moreira diz que não se pode pronunciar até o relatório estar concluído.

  • Santana Lopes confirma buscas na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa
    1:26

    País

    Pedro Santana Lopes confirmou esta quarta-feira a realização de buscas por parte da polícia judiária à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. O provedor da Santa Casa disse aos jornalistas que o processo está relacionado com suspeitas em compras efetuadas pela Misericórdia, situação que há dois anos já tinha sido objeto de inquérito interno.

  • Oposição aproveita debate quinzenal para questões sobre a CGD
    2:35

    Caso CGD

    A oposição aproveitou o debate quinzenal para questionar o primeiro-ministro sobre a polémica em torno da Caixa Geral de Depósitos. O CDS exigiu provas de António Costa para afirmar que as contas do banco foram maquilhadas e o PSD perguntou ao primeiro-ministro se não estranha a demissão de António Domingues quando este apresentou a declaração de rendimentos.

  • Turismo da Madeira investe mais de 3 milhões de euros no programa de festas
    2:22

    País

    A Madeira já vive a época de Natal. O turismo da região investiu mais de 3 milhões de euros no programa de festas de Natal e Fim de Ano para atrair os turistas. Os residentes e também turistas aproveitam para desfrutar do ambiente mágico proporcionado pelas tradicionais iluminações à mistura com as decorações e gastronomia típicas da quadra.

  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.