sicnot

Perfil

País

Gaia quer ser ressarcida por "calúnia" feita contra festival Marés Vivas

A Câmara de Gaia divulgou hoje que irá agir judicialmente para ser ressarcida pelos danos de imagem causados pela "calúnia" feita por ambientalistas que estiveram contra a realização do festival Marés Vivas junto ao estuário do Douro.

JOSE COELHO

"Há um dano que é talvez o mais importante. O dano de imagem, que resulta da calúnia, da mentira repetida, daquilo que para muitos é a parte interior das portas da casa de banho, onde se escreve tudo o que vem à cabeça", afirmou o presidente da Câmara de Gaia.

Eduardo Vítor Rodrigues acrescentou que "para muitos o Facebook transformou-se nessa porta e tem que perceber que até no Facebook há consequências do que se escreve", referindo-se "à gente que fez todo o tipo de abordagem caluniosa, mentirosa, sabendo do que estava a dizer, pensando que não há consequências".

Um dia depois de a autarquia anunciar o regresso do festival Marés Vivas ao local dos últimos anos no Cabedelo, Eduardo Vítor Rodrigues visitou o espaço alvo de contestação no Vale de S. Paio, para mostrar que caso o evento ali decorresse "não havia impacto nenhum na reserva" do estuário do Douro.

"Foi um mito urbano, com fins políticos que o tempo tratará de provar", destacou o autarca, realçando que depois de terem sido apresentados pareceres favoráveis à escolha da câmara, "ter iniciado um debate sobre a ilegalidade do festival, contactando artistas e patrocinadores, foi claramente um ato de terrorismo contra o festival".

No final de 2015, a autarquia divulgou que o festival de verão teria de mudar de local, escolhendo um novo espaço junto à reserva do Estuário do Douro, o que motivou críticas de ambientalistas e a apresentação de duas providências cautelares pela Quercus.

Uma das ações judiciais da Quercus levou à suspensão as obras de preparação do terreno para o festival, atrasando a primeira etapa de preparação do novo Parque Urbano Municipal no Vale de S. Paio e impedindo a montagem atempada do equipamento do evento que por isso regressa ao espaço original.

"Os 'timings' do tribunal são incompatíveis com a necessidade que nós temos de intervir no local, sobretudo com um mês de paragem desta intervenção", lamentou o autarca, admitindo que se o processo fosse mais rápido, o festival poderia continuar a realizar-se no novo parque urbano, cujo regulamento permite "todo um conjunto" de eventos.

Também a Campo Aberto e o partido PAN se juntaram na última semana ao coro de críticas dos ambientalistas contra o festival junto da reserva natural do Estuário do Douro.

Para além das consequências para o concelho, o autarca referiu ainda os "impactos de bilheteira" resultantes não só da "tentativa de criar uma má imagem do festival", mas também porque o espaço no Vale de S. Paio "permitia albergar mais cinco mil pessoas" que o lugar original.

"São menos cinco mil pessoas por dia no festival", acrescentou, esclarecendo que a cedência do espaço onde agora se irá realizar o evento "nunca teve custos para o município nem para a organização".

O presidente da câmara garantiu ainda que os trabalhos de construção do novo parque urbano, que pretende integrar na rede nacional, irão agora continuar, não sendo porém possível antever a sua conclusão.

Quem também se juntou no final visita de hoje ao Vale S. Paio foi Pedro Sousa, técnico da Quercus que, por um lado, reafirmou a satisfação da associação com a decisão da autarquia e, por outro, lamentou que os trabalhos tivessem recomeçado no parque, incluindo a limpeza de espécies como os fetos.

Por causa da providência cautelar, que diz não ter ficado suspensa, o responsável disse ter chamado ao local a GNR e a PSP que, quando chegou, disse apenas ter remetido o assunto para a Polícia Municipal.

No local estiveram também membros do movimento SOS Estuário, criado em abril, que disseram estar disponíveis para "enterrar o machado de guerra" com a câmara e para "colaborar com a renaturalização do espaço" no Vale de S. Paio.

Em comunicado hoje divulgado, a associação Campo Aberto felicita a autarquia "pelo bom senso da decisão" mas "lamenta" que "a sensatez" tenha sido "só por metade" ao ter apresentado "uma série de justificações belicosas".

A 14.ª edição do Marés Vivas decorre entre os dias 14 e 16 de julho.

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    Economia

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Benfica persegue oitavos da Liga dos Campeões

    Desporto

    O Benfica tenta hoje a qualificar-se para os oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, procurando uma vitória na receção ao Nápoles que lhe permita vencer o Grupo H e manter-se a salvo do perseguidor Besiktas.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.