sicnot

Perfil

País

Gaia quer ser ressarcida por "calúnia" feita contra festival Marés Vivas

A Câmara de Gaia divulgou hoje que irá agir judicialmente para ser ressarcida pelos danos de imagem causados pela "calúnia" feita por ambientalistas que estiveram contra a realização do festival Marés Vivas junto ao estuário do Douro.

JOSE COELHO

"Há um dano que é talvez o mais importante. O dano de imagem, que resulta da calúnia, da mentira repetida, daquilo que para muitos é a parte interior das portas da casa de banho, onde se escreve tudo o que vem à cabeça", afirmou o presidente da Câmara de Gaia.

Eduardo Vítor Rodrigues acrescentou que "para muitos o Facebook transformou-se nessa porta e tem que perceber que até no Facebook há consequências do que se escreve", referindo-se "à gente que fez todo o tipo de abordagem caluniosa, mentirosa, sabendo do que estava a dizer, pensando que não há consequências".

Um dia depois de a autarquia anunciar o regresso do festival Marés Vivas ao local dos últimos anos no Cabedelo, Eduardo Vítor Rodrigues visitou o espaço alvo de contestação no Vale de S. Paio, para mostrar que caso o evento ali decorresse "não havia impacto nenhum na reserva" do estuário do Douro.

"Foi um mito urbano, com fins políticos que o tempo tratará de provar", destacou o autarca, realçando que depois de terem sido apresentados pareceres favoráveis à escolha da câmara, "ter iniciado um debate sobre a ilegalidade do festival, contactando artistas e patrocinadores, foi claramente um ato de terrorismo contra o festival".

No final de 2015, a autarquia divulgou que o festival de verão teria de mudar de local, escolhendo um novo espaço junto à reserva do Estuário do Douro, o que motivou críticas de ambientalistas e a apresentação de duas providências cautelares pela Quercus.

Uma das ações judiciais da Quercus levou à suspensão as obras de preparação do terreno para o festival, atrasando a primeira etapa de preparação do novo Parque Urbano Municipal no Vale de S. Paio e impedindo a montagem atempada do equipamento do evento que por isso regressa ao espaço original.

"Os 'timings' do tribunal são incompatíveis com a necessidade que nós temos de intervir no local, sobretudo com um mês de paragem desta intervenção", lamentou o autarca, admitindo que se o processo fosse mais rápido, o festival poderia continuar a realizar-se no novo parque urbano, cujo regulamento permite "todo um conjunto" de eventos.

Também a Campo Aberto e o partido PAN se juntaram na última semana ao coro de críticas dos ambientalistas contra o festival junto da reserva natural do Estuário do Douro.

Para além das consequências para o concelho, o autarca referiu ainda os "impactos de bilheteira" resultantes não só da "tentativa de criar uma má imagem do festival", mas também porque o espaço no Vale de S. Paio "permitia albergar mais cinco mil pessoas" que o lugar original.

"São menos cinco mil pessoas por dia no festival", acrescentou, esclarecendo que a cedência do espaço onde agora se irá realizar o evento "nunca teve custos para o município nem para a organização".

O presidente da câmara garantiu ainda que os trabalhos de construção do novo parque urbano, que pretende integrar na rede nacional, irão agora continuar, não sendo porém possível antever a sua conclusão.

Quem também se juntou no final visita de hoje ao Vale S. Paio foi Pedro Sousa, técnico da Quercus que, por um lado, reafirmou a satisfação da associação com a decisão da autarquia e, por outro, lamentou que os trabalhos tivessem recomeçado no parque, incluindo a limpeza de espécies como os fetos.

Por causa da providência cautelar, que diz não ter ficado suspensa, o responsável disse ter chamado ao local a GNR e a PSP que, quando chegou, disse apenas ter remetido o assunto para a Polícia Municipal.

No local estiveram também membros do movimento SOS Estuário, criado em abril, que disseram estar disponíveis para "enterrar o machado de guerra" com a câmara e para "colaborar com a renaturalização do espaço" no Vale de S. Paio.

Em comunicado hoje divulgado, a associação Campo Aberto felicita a autarquia "pelo bom senso da decisão" mas "lamenta" que "a sensatez" tenha sido "só por metade" ao ter apresentado "uma série de justificações belicosas".

A 14.ª edição do Marés Vivas decorre entre os dias 14 e 16 de julho.

Lusa

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.