sicnot

Perfil

País

"Ignorar os pobres é ignorar Deus", afirma Papa

O Papa Francisco afirmou hoje que "ignorar os pobres é ignorar Deus" e pediu aos fiéis católicos que "não percam a oportunidade de abrir a porta" dos seus corações "aos pobres e necessitados".

reuters

Jorge Bergoglio recorreu à parábola do homem rico e do pobre Lázaro para ilustrar a reflexão na habitual audiência de quarta-feira, na praça de São Pedro, e sublinhar que é necessário acolher os pobres, porque caso contrário fecha-se a porta "também a Deus".

O Papa Francisco lembrou que nesta parábola o homem rico fazia gala de uma "vida de luxo e esbanjamento", enquanto Lázaro "representa o grito silencioso dos pobres de todos os tempos e a contradição de um mundo em que imensas riquezas e recursos estão nas mãos de poucos".

A situação dos dois, tão diferente em vida, "inverteu-se para ambos" após a morte, disse.

"O rico e o pobre quando morrem têm o mesmo destino, tal como todos nós, não há exceções", declarou. Foi nesse momento, depois da morte, que o rico teve que assumir a responsabilidade de "não se compadecer do pobre".

"A misericórdia de Deus está estreitamente ligada à misericórdia (que mostramos) ao outro. Quando falta a misericórdia com o outro, Deus não pode entrar nos nossos corações", lamentou o Papa.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.