sicnot

Perfil

País

Pedida pena suspensa para carteirista de 85 anos

O Ministério Público (MP) pediu hoje pena suspensa para uma mulher de 85 anos acusada de furtar uma carteira no Porto e que já anteriormente foi condenada por crimes similares.

EPA

Desta feita, o furto terá sido consumado durante o desfile do Cortejo Académico do Porto, a 3 de maio. A arguida foi então apanhada em flagrante por agentes da PSP a furtar a carteira a uma mulher que assistia ao desfile da neta.

A procuradora do MP do Tribunal de Pequena Instância Criminal do Porto justificou a necessidade de uma pena suspensa pelo facto de a arguida ter condenações pela prática do mesmo crime, não lhe tendo "servido de lição".

Durante o julgamento, que hoje se iniciou, a arguida negou a acusação.

"É tudo mentira, nunca roubei nada a ninguém", realçou.

A suspeita explicou que ia apanhar o comboio quando deu um pontapé no que parecia ser um telemóvel, mas depois viu que era uma carteira e garantiu que ia entregá-la à polícia.

Por seu lado, a vítima contou que estava a assistir ao cortejo tranquilamente e que não se apercebeu de nada, tendo sido os agentes policiais a avisá-la do sucedido.

E realçou: "tinha 25 euros no porta-moedas, um terço e duas imagens de santas".

Durante os seus depoimentos, os agentes da PSP explicaram que andavam a fazer vigilância durante o cortejo dado haver muita gente e avistaram a arguida - que já conheciam e já haviam detido em 2015 também no desfile a furtar a carteira a uma senhora de 92 anos - e seguiram-na, apanhando-a a furtar uma carteira.

Nessa altura, a vítima desistiu da queixa, fazendo com que a suspeita não fosse a julgamento.

A arguida, residente em Ermesinde, no distrito do Porto, já foi detida dezenas de vezes, mas nunca cumpriu pena de prisão efetiva, tendo condenações a penas suspensas e penas de multa.

Julgada pela quarta vez, a alegada carteirista já foi condenada a penas suspensas de dois e três anos, duas remíveis a multas de 300 e 360 euros.

A leitura da decisão judicial ficou agendada para dia 25 de maio às 10:00.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.