sicnot

Perfil

País

Escadas rolantes vão ligar Martim Moniz ao Castelo de Lisboa

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) informou hoje que as escadas rolantes que vão ligar a praça do Martim Moniz ao Castelo de São Jorge vão estar em funcionamento "no final de 2016/início de 2017".

© Rafael Marchante / Reuters

Em resposta escrita enviada à agência Lusa, a EMEL indica que em causa estão três troços: as "Escadinhas da Saúde", que ligarão a porta da Mouraria à Rua Marquês Ponte de Lima, as "Escadinhas do Palácio da Rosa", que farão a ligação entre as ruas Marquês de Ponte de Lima e Costa do Castelo e ainda as "Escadinhas de São Lourenço", para as quais serão recuperadas as escadas já existentes entre a Rua da Costa do Castelo ao interior do Castelo de São Jorge.

"O primeiro e o terceiro troços, a cargo da EMEL, deverão entrar em funcionamento no final de 2016/início de 2017 e a sua utilização será gratuita", refere a empresa.

Estes acessos inserem-se nas novas acessibilidades à colina do Castelo de São Jorge, que visam atenuar a topografia do terreno e as características desta zona histórica através da introdução de meios mecânicos.

A Câmara de Lisboa incumbiu a EMEL de construir e gerir estes meios, atribuição esta que, segundo a empresa, é uma forma de "retribuir à cidade os valores recebidos através dos parquímetros".

Além do percurso da Mouraria, estão previstos acessos suaves à Sé e à Graça.

No primeiro caso, haverá um elevador a ligar as Escadinhas das Portas do Mar (junto ao Campo das Cebolas) ao Largo da Sé.

"Atendendo a que esta obra decorrerá numa zona muito rica em termos arqueológicos, a primeira empreitada, agora lançada, visa apenas escavar o poço onde será posteriormente instalado o elevador", precisa a EMEL, estimando que este "esteja operacional no verão de 2017", o que depende "das vicissitudes dos trabalhos arqueológicos a realizar".

Quanto ao percurso da Graça, haverá um funicular a ligar a Rua dos Lagares e o Miradouro da Graça.

"Está já a decorrer o concurso tendo em vista apurar da viabilidade da abertura do canal onde deverá circular a composição, também ela sujeita a fortes condicionantes arqueológicas", assinala a empresa, esclarecendo que, por essa razão, ainda não existe uma data.

Também estas infraestruturas serão gratuitas.

Ainda no âmbito das novas acessibilidades, foi inaugurado em junho do ano passado o elevador que liga a Rua Norberto Araújo ao miradouro de Santa Luzia.

Após a inauguração, este equipamento esteve "inoperativo durante alguns dias em consequência de problemas relacionados com o fornecimento de energia", admite a EMEL.

Porém, "desde então o elevador funciona sem problemas, registando um elevado nível de utilização", assegura.

Na nota enviada à Lusa, a EMEL aponta que, a estes meios mecânicos, se somam os dois elevadores que fazem a ligação entre a Rua dos Fanqueiros e a Rua da Madalena e entre esta e a Calçada do Marquês de Tancos.

A empresa municipal disponibiliza ainda outro tipo de elevadores públicos, como o que foi inaugurado este ano em Entrecampos, recorda a EMEL.

Lusa

  • Morreu Miguel Beleza, antigo ministro das Finanças e governador do BdP
    1:34
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.