sicnot

Perfil

País

Escadas rolantes vão ligar Martim Moniz ao Castelo de Lisboa

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) informou hoje que as escadas rolantes que vão ligar a praça do Martim Moniz ao Castelo de São Jorge vão estar em funcionamento "no final de 2016/início de 2017".

© Rafael Marchante / Reuters

Em resposta escrita enviada à agência Lusa, a EMEL indica que em causa estão três troços: as "Escadinhas da Saúde", que ligarão a porta da Mouraria à Rua Marquês Ponte de Lima, as "Escadinhas do Palácio da Rosa", que farão a ligação entre as ruas Marquês de Ponte de Lima e Costa do Castelo e ainda as "Escadinhas de São Lourenço", para as quais serão recuperadas as escadas já existentes entre a Rua da Costa do Castelo ao interior do Castelo de São Jorge.

"O primeiro e o terceiro troços, a cargo da EMEL, deverão entrar em funcionamento no final de 2016/início de 2017 e a sua utilização será gratuita", refere a empresa.

Estes acessos inserem-se nas novas acessibilidades à colina do Castelo de São Jorge, que visam atenuar a topografia do terreno e as características desta zona histórica através da introdução de meios mecânicos.

A Câmara de Lisboa incumbiu a EMEL de construir e gerir estes meios, atribuição esta que, segundo a empresa, é uma forma de "retribuir à cidade os valores recebidos através dos parquímetros".

Além do percurso da Mouraria, estão previstos acessos suaves à Sé e à Graça.

No primeiro caso, haverá um elevador a ligar as Escadinhas das Portas do Mar (junto ao Campo das Cebolas) ao Largo da Sé.

"Atendendo a que esta obra decorrerá numa zona muito rica em termos arqueológicos, a primeira empreitada, agora lançada, visa apenas escavar o poço onde será posteriormente instalado o elevador", precisa a EMEL, estimando que este "esteja operacional no verão de 2017", o que depende "das vicissitudes dos trabalhos arqueológicos a realizar".

Quanto ao percurso da Graça, haverá um funicular a ligar a Rua dos Lagares e o Miradouro da Graça.

"Está já a decorrer o concurso tendo em vista apurar da viabilidade da abertura do canal onde deverá circular a composição, também ela sujeita a fortes condicionantes arqueológicas", assinala a empresa, esclarecendo que, por essa razão, ainda não existe uma data.

Também estas infraestruturas serão gratuitas.

Ainda no âmbito das novas acessibilidades, foi inaugurado em junho do ano passado o elevador que liga a Rua Norberto Araújo ao miradouro de Santa Luzia.

Após a inauguração, este equipamento esteve "inoperativo durante alguns dias em consequência de problemas relacionados com o fornecimento de energia", admite a EMEL.

Porém, "desde então o elevador funciona sem problemas, registando um elevado nível de utilização", assegura.

Na nota enviada à Lusa, a EMEL aponta que, a estes meios mecânicos, se somam os dois elevadores que fazem a ligação entre a Rua dos Fanqueiros e a Rua da Madalena e entre esta e a Calçada do Marquês de Tancos.

A empresa municipal disponibiliza ainda outro tipo de elevadores públicos, como o que foi inaugurado este ano em Entrecampos, recorda a EMEL.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.