sicnot

Perfil

País

Escolas que decidiram manter exames no 4.º e 6.º ano começam hoje a aplicá-los

O período para realização de exames de Português e Matemática do 4.º e 6.º ano inicia-se hoje com um número de escolas a aplicá-los depois de o Ministério da Educação (ME) os ter tornado opcionais este ano.

© Susana Vera / Reuters

Segundo dados da tutela, menos de oito por cento dos diretores decidiram realizar as provas do 4.º e 6.º ano, em conjunto com as provas de aferição dos 2.º, 5.º e 8.º anos de escolaridade, que também são opcionais este ano, e que apenas se tornam obrigatórias em 2016-2017.

Dois por cento dos diretores optaram por realizar apenas as provas do 4.º e do 6.º ano, nas suas escolas.

As escolas que optaram por manter a realização dos exames de 4.º e 6.º ano têm até 03 de junho para os fazer.

O ministério de Tiago Brandão Rodrigues anunciou, em janeiro, uma alteração ao modelo de avaliação do ensino básico, que eliminou os exames de Português e Matemática, no 4.º e 6.º ano, com um peso de 30 por cento para a nota final dos alunos, e introduziu provas de aferição no 2.º, 5.º e 8.º anos de escolaridade.

O ME veio depois permitir que quer a aplicação das provas de aferição, como a eliminação dos exames, apresentadas como obrigatórias para o corrente ano letivo, fossem afinal opcionais este ano, criando um período de transição até à obrigatoriedade e universalidade das provas no próximo ano letivo.

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.