sicnot

Perfil

País

Luxemburgo deverá avançar com a data de venda da Herdade da Comporta

As datas para avançar com a venda da Herdade da Comporta serão avançadas pelo Luxemburgo onde está a decorrer o processo, de acordo com a Procuradoria Geral da República.

A propriedade faz parte dos ativos que a Espírito Santo International e a Rioforte continuam sem poder vender, por ter sido penhorada pela justiça portuguesa em 2015.


A apreensão feita ao Grupo Espírito Santo servia para salvaguardar a existência de fundos que pagassem eventuais indemnizações futuras.


Nessa altura, a venda da herdade já estava em curso, mas foi suspensa por causa da penhora e, desde então, existem conversações para proceder ao levantamento dos mesmos.

  • Rioforte quer voltar a ter a herdade da Comporta

    Economia

    A administração da Rioforte quer voltar a ter a herdade da Comporta. A empresa, segundo noticia o Diário Económico, entrou com um pedido no tribunal para levantar o arresto judicial decretado pelo Ministério Público e que foi executado em maio.

  • Venda da Herdade da Comporta está suspensa

    Queda do BES

    A venda da Herdade da Comporta está suspensa. A herdade, que pertence à família Espírito Santo, já tinha chamado a atenção de vários investidores porém, na sequência dos problemas jucidiais do GES, os potenciais compradores têm-se afastado do processo de venda.

  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.