sicnot

Perfil

País

11 crianças e 3 adultos feridos no acidente na A1

As crianças que hoje ficaram feridas sem gravidade num acidente entre dois autocarros de transporte escolar, na Autoestrada do Norte (A1), pertencem aos agrupamentos de escolas de Oliveira de Azeméis e dirigem-se para a Assembleia da República.

SIC

"As crianças pertencem a todos os agrupamentos de escolas de Oliveira de Azeméis, que são cinco, participam na iniciativa 'Políticos de Palmo e Meio' e deslocavam-se para a Assembleia da República", disse à Lusa Ilda Ferreira, diretora do agrupamento de escolas Ferreira de Castro.

Uma colisão entre dois autocarros de transporte escolar, na A1, depois das portagens de Alverca, no sentido Norte-Sul, informou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa.

Segundo a mesma fonte, o acidente ocorreu cerca das 10:50 e os feridos - sete crianças e três adultos - foram transportados para os hospitais de Santa Maria e de S. José, em Lisboa.

A diretora do agrupamento de escolas de Oliveira de Azeméis, com sede em Lações de Cima, explicou que, pelas informações de que dispunha, os ferimentos das crianças do 4.º ano, com cerca de 9 anos, consistiam "em alguns hematomas" e não apresentavam gravidade.

Entretanto, os alunos que seguiam no segundo autocarro, da Câmara de Mação, não sofreram ferimentos, segundo o presidente da Câmara Municipal local, Vasco Estrela.

"Não sofreram nada. Ninguém foi ao hospital", disse o autarca, esclareceu que na viatura seguiam 24 alunos da escola de Cardigo, com cinco auxiliares e o motorista.

Os alunos vão prosseguir viagem noutro autocarro, em direção ao Jardim Zoológico de Lisboa, acrescentou Vasco Estrela, indicando que os danos provocados na viatura municipal "são consideráveis".

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.