sicnot

Perfil

País

O tempo para hoje

O tempo para hoje

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje no continente céu geralmente muito nublado, sendo por nuvens altas até ao início da manhã, períodos de chuva no Minho e Douro Litoral a partir do início da manhã, estendendo-se gradualmente às regiões Norte, Centro e Alto Alentejo, passando a aguaceiros que diminuem de intensidade e frequência a partir da tarde.

A previsão aponta ainda para vento em geral fraco predominando de sudoeste, soprando moderado no litoral oeste e moderado a forte nas terras altas, pequena subida da temperatura mínima e descida da máxima.

Na Madeira prevê-se períodos de céu muito nublado, aguaceiros, em geral fracos, mais frequentes nas vertentes norte e nas zonas montanhosas, vento fraco a moderado de noroeste e pequena descida da temperatura máxima.

Para os Açores, a previsão aponta para períodos de céu muito nublado com abertas, descida da temperatura do ar, aguaceiros fracos e vento noroeste fresco com rajadas até 50 quilómetros por hora.

Quanto às temperaturas, em Lisboa vão variar entre 15 e 22 graus Celsius, no Porto entre 14 e 18, em Vila Real entre 11 e 19, em Bragança entre 09 e 19, em Viseu entre 10 e 17, na Guarda entre 11 e 15, em Coimbra entre 13 e 19, em Castelo Branco entre 13 e 21, em Santarém entre 13 e 23, em Évora entre 11 e 23, em Beja entre 12 e 23, em Faro entre 16 e 23, no Funchal entre 19 e 22, em Ponta Delgada entre 13 e 18 e na Horta e Santa Cruz das Flores entre 13 e 17.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão