sicnot

Perfil

País

Alegações finais do processo principal do BPN com 3 dos 15 arguidos

O Ministério Público iniciou hoje as alegações finais no julgamento do processo principal do caso BPN, contando com a presença dos arguidos, de entre 15, Ricardo Oliveira, Leonel Mateus e Baião Nascimento, destacando-se a ausência de Oliveira e Costa.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Os trabalhos arrancaram pelas 10:40 no Palácio da Justiça, em Lisboa, com o procurador Jorge Malhado a iniciar a sua intervenção com palavras de elogio ao trabalho desempenhado pelo seu antecessor, Luís Pinto Gomes, que se aposentou a 16 de maio depois de ter atingido o limite de idade para desempenhar o cargo.

Jorge Malhado realçou que Pinto Gomes acompanhou este processo durante mais de cinco anos, dando um importante contributo para as conclusões que o Ministério Público extrai da prova produzida no tribunal, lamentando que o responsável não tenha possibilidade de levar o seu trabalho neste julgamento até ao fim.

De resto, o procurador do Ministério Público foi às raízes do grupo SLN/BPN e tem relatado os vários passos dados no sentido de criar um grupo empresarial com presença em várias áreas, que cresceu com base no financiamento concedido pelo Banco Português de Negócios (BPN), numa estrutura de participações sociais em cascata.

Jorge Malhado apontou para o "grande poder pessoal centrado em José Oliveira e Costa", referindo que o grupo chegou a contar com quase 100 sociedades 'offshore' que serviam para fazer parqueamento de fundos, comprar ações de empresas do grupo SLN e fazer triangulações de fundos, e um "banco instrumental" fora do controlo do Banco de Portugal, que era o Banco Insular de Cabo Verde.

Oliveira e Costa, 81 anos, que fundou e presidiu o grupo SLN/BPN, foi a ausência mais notada nos trabalhos de hoje, que contaram apenas com a presença de três dos 15 arguidos que estão a ser julgados: Ricardo Oliveira (empresário de imobiliário), Leonel Mateus (ex-gestor da Plafin, sociedade que alegadamente criava as 'offshores') e Filipe Baião Nascimento (advogado).

O julgamento deste processo-crime, o principal do caso Banco Português de Negócios (BPN), arrancou a 15 de dezembro de 2010 e conta agora com 15 arguidos, depois da extinção das acusações contra a Labicer, após o tribunal de Aveiro ter declarado a empresa de cerâmica insolvente e ter decretado a sua liquidação.

Lusa

  • Alegações finais do caso BPN começam hoje
    1:57

    País

    Cinco anos e meio depois do inicio do julgamento, começam hoje as alegações finais do caso BPN. Oliveira Costa e outros 14 arguidos são acusados de terem sido os responsáveis por crimes financeiros que levaram ao descalabro do banco.

  • Obama acredita que Guterres será um bom líder da ONU
    0:53

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar de perto com os Estados Unidos na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido esta sexta-feira por Barack Obama, na Casa Branca, onde foi elogiado pelo ainda Presidente.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.