sicnot

Perfil

País

CGTP lembra Governo de que 35 horas de trabalho é promessa para cumprir

O secretário-geral da CGTP-In, Arménio Carlos, lembrou hoje o Governo de que "as promessas são para cumprir" em relação ao retorno da função pública ao horário de trabalho das 35 horas semanais.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

Reuters (Arquivo)

Arménio Carlos, que falava no encerramento do 10.º Congresso da União de Sindicatos de Aveiro disse já ter transmitido ao Governo a posição da central sindical de que a reposição do horário das 35 horas "tem de ser para todos, independentemente do vínculo" à função pública.

"A reposição das 35 horas foi uma promessa e as promessas são para cumprir. Estamos disponíveis para negociar (a aplicação da redução do horário), mas tem de ser para todos e essa é uma condição de que não abdicamos", afirmou.

Sublinhando que o aumento para as 40 horas determinado pelo anterior governo "nenhum benefício trouxe para os serviços públicos e para os cidadãos", o secretário-geral da GCTP disse esperar que a reposição entre em vigor na data prevista (01 de julho).

O tema dos feriados foi outro dos que mereceu a atenção do líder da CGTP, por um lado para assinalar que "foi também a luta dos trabalhadores que contribuiu para o regresso dos quatro feriados que lhes haviam sido retirados" e, por outro, para discordar abertamente da possibilidade de, no futuro, serem "encostados" aos fins de semana.

"Ouvimos esta manhã a posição patronal de que isso seria importante para a competitividade e produtividade das empresas, mas não vamos nesse jogo: os feriados têm um significado político, cultural e religioso nas respetivas datas e isso seria abrir a porta para mais tarde os quererem abolir, invocando que já não fariam sentido", comentou.

Arménio Carlos disse aos dirigentes sindicais reunidos em congresso que "as reivindicações dos trabalhadores têm de ser ouvidas e concretizadas" e que o papel dos seus representantes "é reivindicar".

"Valorizamos o que foi conseguido com os compromissos de entendimento mínimo dos partidos que formam a atual maioria parlamentar, mas é preciso ir mais longe. Estamos conscientes de que 'Roma e Pavia não se fizeram num dia', mas também queremos que sejam calendarizadas em tempo oportuno as respostas aos justos anseios dos trabalhadores", observou.

O sindicalista disse que a CGTP vai elaborar e divulgar uma "lista negra" das empresas que recorrem sistematicamente à precariedade e reafirmou a necessidade de expurgar a caducidade da contratação coletiva da legislação laboral.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.