sicnot

Perfil

País

Câmara de Lisboa disponível para "consensualizar solução" sobre nova mesquita na Mouraria

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa afirmou hoje que a indemnização ao proprietário de dois prédios expropriados na Mouraria, no local onde vai nascer uma nova mesquita, foi definida pelo tribunal, mostrando-se disponível para "consensualizar uma solução".

Em causa está um processo de expropriação por interesse público que a autarquia iniciou para deitar abaixo alguns prédios na zona, no âmbito de uma requalificação das ruas da Palma e do Benformoso que envolve a criação de uma praça coberta, um jardim e uma nova mesquita para a comunidade muçulmana.

A mesquita envolve um investimento do município de cerca de três milhões de euros: 1,4 milhões para indemnizações relacionadas com as expropriações e 1,5 milhões para a construção em si.

Em reunião pública de Câmara, Fernando Medina frisou que "a expropriação dos dois prédios decorreu nos termos da lei, foi aprovada pela Câmara", mas "a indemnização foi estabelecida pelo tribunal" e não pelo município.

Prometendo uma reunião com o proprietário, o socialista afirmou que "há vontade, disponibilidade e interesse em consensualizar uma solução".

"A cidade de Lisboa é uma cidade livre, aberta, que se tem caracterizado nos seus momentos de expansão pela tolerância religiosa, étnica, cultural, que tem pugnado por essa abertura", acrescentou.

Lembrando a história da cidade, Medina disse: "Ao longo das décadas tem sido apoiada, por várias maiorias [do executivo municipal], a construção de vários equipamentos, locais de culto, de partilha, de trabalho, de várias confissões religiosas que têm presença na cidade".

O autarca indicou também que "a Câmara Municipal de Lisboa é responsável pela execução das demolições, construção das estruturas e revestimentos exteriores dos edifícios, entregando a obra em tosco ao Centro Islâmico do Bangladesh".

A esta instituição cabe "suportar os custos com os projetos e a realização dos acabamentos interiores dos dois blocos do edifício onde será realizada a mesquita".

Presente nos Paços do Concelho, o proprietário dos imóveis, António Barroso, interrompeu a sessão para defender que "há muita coisa que não está correta" na discussão.

"A reunião que vai marcar já vem muito tarde, eu fui expropriado na segunda-feira às 16:00, com uma declaração que me tira o direito aos prédios e a passar recibos aos meus inquilinos", afirmou, falando diretamente para Fernando Medina.

O proprietário defendeu que as reuniões deveriam ter começado "há dois, três anos, quando começou projeto".

Alegando que "ninguém está contra a construção da mesquita", António Barroso acusou o município de "ter receio de afirmar que vai construir" este espaço.

António Barroso é uma das pessoas afetadas pela decisão camarária e recebeu a informação de que vai receber uma indemnização no valor de 530 mil euros para sair dos dois prédios na Rua do Benformoso que recentemente recuperou.

O vereador do PSD António Prôa saudou a "disponibilidade e empenho para que processo possa ser conduzido com o munícipe, de modo a encontrar solução de consenso tanto quanto seja possível".

"A cidade de Lisboa é historicamente aberta ao mundo", vincou, acrescentando que a capital contraria "tão grandes intolerâncias e radicalismo" que se vivem atualmente pelo mundo.

O centrista João Gonçalves Pereira defendeu que na questão da expropriação "deve haver tolerância e uma tentativa de consenso e de encontrar uma solução".

Já o comunista João Ferreira disse concordar com as declarações de Fernando Medina.

Na internet, está disponível a petição "Contra a construção de mais uma mesquita em Lisboa", que, até às 19:30 de hoje, contava com quase 5.000 assinaturas.

Lusa

  • Nova mesquita na Mouraria gera polémica
    3:00

    País

    A Câmara de Lisboa quer construir uma nova mesquita na Mouraria. A comunidade muçulmana local também vai contribuir, contudo o projeto está a gerar alguma polémica. A construção da nova mesquita implica a expropriação e demolição de edifícios antigos e recuperados. Os moradores e proprietários dos edifícios contestam a localização e indemnizações.

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.