sicnot

Perfil

País

Colégios entregam hoje 5.000 cartas ao ministro da Educação

O movimento "Defesa da Escola Ponto" entrega hoje ao ministro da Educação 5.000 cartas, "uma por cada professor e funcionário", num apelo a que seja revogada a norma que limita a área de atuação dos colégios privados.

ESTELA SILVA/ LUSA

"Pelas 12:00, um grupo de representantes de professores e do pessoal não docente das escolas da rede pública com contrato de associação, irá entregar ao Sr. ministro da Educação, no Ministério da Educação, um total de 5.000 cartas, uma por cada professor e funcionário, apelando a que o mesmo reverta a legislação que atenta contra estas escolas (nomeadamente revogue o despacho 1-H/2016 e cumpra os contratos plurianuais)", refere um comunicado do movimento.

Este grupo de defesa de colégios privados com contratos de associação com o Estado tem organizado diversas manifestações contra o anunciado corte de financiamento do Estado a turmas de início de ciclo onde a oferta pública seja suficiente para dar resposta às necessidades.

Para além das 5.000 cartas que devem ser hoje entregues, o grupo que representa colégios privados com contrato de associação já anteriormente tinha entregado mais de 50 mil cartas nas residências oficiais do primeiro-ministro e do Presidente da República.

Para além de já terem organizado ações de visibilidade como "abraços às escolas", com a formação de cordões humanos, ou largadas de balões, e protestos em locais e eventos com a participação do primeiro-ministro, António Costa, e do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, os colégios representados pelo movimento preparam agora uma manifestação para domingo, 29 de maio, junto à Assembleia da República, em Lisboa.

Até lá, planeiam desenvolver ações diárias.

O porta-voz do movimento, Manuel Bento, acredita que a manifestação do dia 29 de maio será uma das maiores de sempre: "Representamos 45 mil alunos e 45 mil famílias. Contamos seguramente ter, pelo menos, 50% das famílias nessa manifestação. Será de uma escala nunca antes conseguida neste país, e dizemos isso porque notamos a força e indignação das famílias".

O Ministério da Educação anunciou que em 2016-2017 haverá um corte de 57% no financiamento das turmas de início de ciclo nos colégios privados com contrato de associação, admitindo financiar apenas 273 turmas, contra as 656 subsidiadas em 2015-2016 em 79 estabelecimentos particulares.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.