sicnot

Perfil

País

JSD acusa que Mário Nogueira de "conviver mal com a liberdade alheia"

O líder da JSD, Simão Ribeiro, acusou hoje o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, de conviver "mal com a liberdade alheia", afirmando que a estrutura partidária "não se deixa intimidar por ameaças de processo".

Secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira.Foto de arquivo.

Secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira.Foto de arquivo.

Esta resposta surge na sequência do polémico cartaz virtual da JSD no qual Mário Nogueira surge retratado como Estaline, a manipular o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, iniciativa que motivou a Fenprof a anunciar na terça-feira que vai processar aquela estrutura partidária por considerar o cartaz ofensivo.

"Uma das convicções que temos é encarar a liberdade de expressão enquanto caminho de duas vias: com maior ou menor contundência, criticamos e somos criticados. Porém, há em Portugal quem julgue estar imune à crítica e à divergência de opinião. É o caso de Mário Nogueira, para quem a liberdade de expressão só tem uma via: a sua", responde a JSD num comunicado intitulado "Mário Nogueira convive mal com a liberdade alheia".

Simão Ribeiro avisa Mário Nogueira que "a JSD não se deixa intimidar por ameaças de processo nem por processos de ameaça".

"Temos todo o gosto em defrontar esta força sindical no nobre palco político mas se estes preferem a judicialização da política portuguesa, lá nos encontraremos", atira.

Voltando a justificar o cartaz, o líder da juventude partidária afirma que "da mesma forma que Estaline se achava o único interpretador correto do comunismo, Mário Nogueira acha-se o único interpretador correto da boa conduta na escola pública e dos bons exemplos educativos".

"Reforça portanto a ideia de que Mário Nogueira e outros figurões da extrema-esquerda só gostam da democracia quando esta lhes serve os interesses", condena.

Segundo Simão Ribeiro, "ao mesmo tempo que acusa a JSD, Mário Nogueira utiliza meios menos próprios até para com órgãos de soberania".

"Foi o que aconteceu há dias quando o seu líder, Mário Nogueira, sugeriu que a defesa dos contratos de associação tem "motivações de ordem financeira" que passam por meter muito dinheiro dos contribuintes ao bolso", criticou.

A JSD recorda ainda que a estrutura sindical "chegou a usar a palavra 'roubo', num cartaz em que figuravam Pedro Passos Coelho, Nuno Crato e Vítor Gaspar".

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.