sicnot

Perfil

País

Muro que matou três alunos em Braga era "ratoeira armada", dizem familiares

O muro que em 2014 caiu em Braga e matou três estudantes da Universidade do Minho era "uma autêntica ratoeira armada, à espera das presas", acusam as famílias das vítimas, num requerimento a que a Lusa hoje teve acesso.

HUGO DELGADO

A acusação consta no requerimento de abertura de instrução do processo, que levou à constituição de arguidos de um engenheiro e um fiscal da Câmara de Braga e ainda do gerente de uma empresa de condomínios.

Anteriormente, tinham sido constituídos arguidos apenas quatro estudantes que saltaram em cima do muro e que, segundo o Ministério Público, levaram à queda daquela estrutura, atingindo mortalmente três colegas.

Os sete arguidos estão acusados de homicídio por negligência.

O advogado das famílias das vítimas, João Noronha de Carvalho, disse à Lusa que o debate instrutório do caso, que decidirá se os arguidos vão ou não a julgamento, está marcado para 16 de junho.

O caso remonta a 23 de abril de 2014, quando, num contexto de "guerra de cursos", quatro alunos treparam a uma estrutura composta por alvenaria de tijolo e betão, com cerca de um metro e meio de altura e quatro metros de comprimento, destinada a albergar recetáculos de correio, onde permaneceram a "cantar e a saltar".

Segundo o Ministério Público, os quatro estudantes "deram causa a que a estrutura rodasse sobre a sua base e caísse para a frente, colhendo quatro outros alunos, cujos corpos ficaram sob a mesma".

Três deles viriam a morrer "na sequência dos ferimentos sofridos".

Os alunos que estiveram em cima do muro foram acusados de homicídio por negligência.

Agora, e na sequência de requerimentos de abertura de instrução tanto por parte dos alunos arguidos como das famílias das vítimas, também foram constituídos arguidos um engenheiro e um fiscal da Câmara de Braga e o gestor de uma empresa de condomínios.

No requerimento apresentado pelas famílias das vítimas, representadas pelo advogado João Noronha de Carvalho, lê-se que o condomínio do prédio servido por aquele recetáculo de correio tinha escrito, em janeiro de 2010, à Câmara, alertando que o muro estava a desmoronar e solicitando diligências para a sua "reparação urgente".

A Divisão de Fiscalização da Câmara respondeu a 20 de janeiro do mesmo ano, solicitando ao condomínio para proceder à consolidação do muro num prazo de 15 dias.

Pelo meio, houve ainda queixas e alertas do carteiro e do Centro de Distribuição Postal.

O condomínio optou pela construção de um outro recetáculo, mas aquele permaneceu "entregue à sua sorte", em progressiva degradação e inclinação.

"Uma autêntica ratoeira armada, à espera das presas", refere o requerimento de instrução das famílias das vítimas, sublinhando que quer os responsáveis da câmara quer o condomínio incorreram numa "violação frontal e grosseira" do "dever de garante" da segurança de pessoas e bens.

Lusa

  • Nuno Crato garante que acidente em Braga vai ser investigado
    0:21

    País

    O ministro da Educação já enviou condolências aos familiares das vítimas da queda do muro junto à Universidade do Minho. Nuno Crato garantiu que o acidente vai ser investigado. Durante a conferência de imprensa do Conselho de Ministros, o ministro lamentou "os trágicos acidentes que ocorreram no Minho" e transmitiu as condolências aos familiares, amigos e colegas dos estudantes que na tarde de quarta-feira morreram e ficaram feridos na sequência da queda de um muro.

  • "Temos de jogar melhor do que frente à Espanha"
    0:45
  • Ronaldo é o jogador que mais preocupa os marroquinos
    2:35
  • Recorda-se de Tahar? O ex-futebolista marroquino que já jogou em Portugal
    6:10
  • "Somos 11 milhões, queremos ser campeões e as russas são grandes canhões"
    3:54
  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.