sicnot

Perfil

País

"Não acho que o Governo vá cair" após as autárquicas, diz Marcelo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje não acreditar que o Governo do PS, liderado por António Costa, caia após as eleições autárquicas de 2017.

NUNO VEIGA/ LUSA

"Não acho que o Governo vá cair" após as autárquicas, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa ao jornal 'on-line' Observador, um dia depois de ter dito que não dará um passo para provocar instabilidade no ciclo político que vai até às eleições locais, no outono de 2017.

O Presidente justificou a declaração que fez na terça-feira, afirmando que "o Governo dura uma legislatura, mas em Portugal há uma tradição de as autárquicas terem uma leitura nacional".

Depois de recordar que "já houve vários casos", como a demissão de António Guterres de primeiro-ministro após uma derrota do PS nas autárquicas de 2001, Marcelo Rebelo de Sousa declarou hoje não acreditar na hipótese de queda do executivo, dado que a maioria de esquerda "está estável".

E justificou a sua afirmação na véspera com a necessidade de defender a estabilidade: "Foi para se perceber que estava fora de causa nestes dois anos haver instabilidade. E depois também era desejável que não houvesse. Como havia grande especulação sobre certas leis, queria dizer que nada se alterou significativamente desde o começo da legislatura e das minhas funções. A maioria está estável."

As declarações que Marcelo Rebelo de Sousa hoje explicou foram feitas durante uma visita ao Regimento de Comandos, na Amadora, em que respondia a perguntas dos jornalistas sobre as suas relações com o primeiro-ministro.

"Desiludam-se aqueles que pensam que o Presidente da República vai dar um passo sequer para provocar instabilidade neste ciclo que vai até às autárquicas. Depois das autárquicas, veremos o que é que se passa. Mas o ideal para Portugal, neste momento, é que o Governo dure e tenha sucesso", afirmou então Marcelo Rebelo de Sousa.

Para o chefe do Estado, "o Governo existe para durar uma legislatura [quatro anos]".

"Há claramente um ciclo político marcado pelas autárquicas e portanto estar a especular sobre instabilidade política nesse ciclo não faz o mínimo sentido", disse.

Instado a clarificar o que fará após as eleições autárquicas, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que "quer dizer que o que é importante é que o Governo dure e que tenha sucesso".

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.