sicnot

Perfil

País

Queda de ultraleve em Benavente em 2012 deveu-se a erro do piloto

A queda de um ultraleve nas imediações do Campo de Voo de Benavente, em abril de 2012, que provocou a morte dos dois ocupantes, deveu-se a falha humana, aponta o relatório final da investigação ao acidente, hoje divulgado.

O piloto, de 21 anos, e o passageiro, de 18 anos, tiveram morte imediata e o ultraleve ficou totalmente destruído na sequência do incêndio que deflagrou após a queda.

Segundo o relatório do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves (GPIAA) foram identificadas duas causas prováveis para o acidente: "a entrada em perda devido a atitude anormal de nariz [do ultraleve] em cima, provocado pelo passageiro aos comandos do avião, e a entrada em perda devido a volta apertada provocada pelo piloto".

"A Comissão de Investigação determinou que a causa do acidente foi a perda de controlo da aeronave devido a erro humano do piloto. O piloto não tinha seguido os procedimentos de descolagem e aterragem corretos, tudo indicando que ele autorizou o passageiro a assumir as operações", sublinha o GPIAA.

A investigação refere que "tudo indica que o piloto estava a ensinar, ou pelo menos a permitir" que o passageiro pilotasse o avião nas manobras de aterragem e descolagem, acrescentando que "é possível que tenha sido o passageiro a estar aos comandos do avião" no momento do acidente.

"Numa situação destas o piloto pode não ter tido tempo de reagir atempadamente para evitar a perda ou de ter sido impedido, por ação do passageiro, de atuar devidamente nos comandos de voo", frisam os investigadores.

O relatório refere que o passageiro era "um entusiasta da aviação e dos simuladores de voo", não tendo sido encontrado nenhum registo de qualquer experiência de voo, nem inscrição em algum curso de pilotagem.

A investigação conta que este jovem "já tinha voado como passageiro com outro piloto e já lhe tinham sido dados a sentir os comandos do avião".

A outra causa aponta para a entrada em perda do ultraleve devido a uma manobra intencional do piloto.

"Parece também que o piloto poderá ter efetuado uma volta apertada à direita, sem a velocidade correta numa tentativa de demonstrar as capacidades de manobra da aeronave ou demonstrar ao passageiro a sua habilidade de pilotagem", descreve o GPIAA.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.