sicnot

Perfil

País

Colégios entregam a Marcelo parecer que defende que cortes nos contratos são ilegais

O movimento Defesa da Escola Ponto entrega hoje ao Presidente da República um parecer da autoria do constitucionalista Vieira de Andrade, que defende que o corte nos contratos de associação é ilegal.

SIC

Numa análise aos argumentos jurídicos invocados pelo Ministério da Educação (ME) para sustentar a decisão de reduzir no próximo ano letivo o número de turmas de início de ciclo - 5.º, 7.º e 10.º anos de escolaridade - com contrato de associação, o constitucionalista, professor da Universidade de Coimbra e especialista em direito administrativo, José Carlos Vieira de Andrade acusa a tutela de ter uma "interpretação redutora dos contratos" que "não corresponde ao texto nem à vontade contratual manifestada".

"Houve, em 2013, uma intenção legal de celebração de contratos de associação com as escolas particulares e cooperativas como alternativa à criação, manutenção ou expansão da rede pública, enquanto forma de garantir algum espaço de livre escolha das famílias", defende-se no parecer que é hoje entregue a Marcelo Rebelo de Sousa, pelas 17:00.

Fonte de Belém confirmou à Lusa que o chefe de Estado receberá este movimento, mas trata-se de uma audiência não pública.

O constitucionalista salienta que, desde 2013, o Estatuto dos Ensino Particular e Cooperativo (EEPC) deixou de restringir a existência de turmas com contrato de associação às zonas onde a oferta pública não seja suficiente para garantir o acesso à escolaridade obrigatória.

Manifesta também concordância com a interpretação de que os colégios privados fazem da plurianualidade dos contratos, que, dizem, deve prever a abertura de turmas de início de ciclo em cada um dos três anos letivos de vigência do acordo com o Estado, e a qual, segundo Viera de Andrade, "se justifica".

"[...] designadamente quanto à sua aplicação aos anos de início de ciclo, durante os três anos contratados", precisa-se no documento, acrescentando-se ainda que "a sua [dos colégios] representação do conteúdo dos contratos, bem como o investimento de confiança feito com base nessa leitura contratual, são legítimos e merecem proteção jurídica".

"Seja como for, havendo duas interpretações diferentes, o Governo não pode impor a sua versão contratual, cabendo ao tribunal decidir qual é a interpretação válida, seja por iniciativa dos co-contratantes privados ou do Estado", defende o constitucionalista, que reconhece a legitimidade do Estado para alterar ou terminar contratos, apenas "por motivos de interesse público devidamente fundamentando", e prevendo as devidas indemnizações.

Vieira de Andrade recusa ainda que o Estado possa invocar a ilegalidade dos contratos com base numa hipotética inconstitucionalidade do EEPC, decidindo unilateralmente não cumprir os contratos com base nessa interpretação.

Segundo o especialista em direito administrativo, só o Tribunal Constitucional poderia vir a declarar a ilegalidade ou inconstitucionalidade do EEPC, "com força obrigatória geral e efeitos retroativos".

"Ao optar pelo mero incumprimento do contrato, desaplicando a lei com fundamento em ilegalidade ou inconstitucionalidade, está a violar o princípio da separação dos poderes, usurpando atribuições judiciais. Por outro lado, o Estado também não tem poderes para declarar unilateralmente a invalidade, total ou parcial, do contrato, com esse ou qualquer outro fundamento", defende-se no parecer.

Por fim, Vieira de Andrade advoga que o despacho normativo de abril, que veio limitar a área geográfica de atuação dos colégios à sua freguesia de implantação, "poderá ser ilegal, se for interpretado e aplicado em termos que ponham em causa as prioridades de matrícula estabelecidas no EEPC".

"A condição geográfica do concurso [dos contratos plurianuais] respeita à situação das escolas e não necessariamente aos alunos, não impondo um critério para delimitar rigidamente o universo dos alunos elegíveis para a frequência dos estabelecimentos com contrato de associação", lê-se no documento.

Lusa

  • "A banca parece que não aprendeu nada com a bolha imobiliária de 2008"
    3:23

    Opinião

    O Governo quer limitar a venda de produtos financeiros pelos bancos. Está no parlamento uma proposta de lei que penaliza as más práticas comerciais e tenta proteger os clientes, evitando abusos e encargos excessivos e obrigando os bancos a prestarem-lhes mais informação. A proposta prevê ainda que seja dada mais formação aos funcionários. Miguel Sousa Tavares considera a decisão do Governo acertada uma vez que protege os interesses dos clientes. O comentador da SIC faz ainda referência ao ano 2008, início da crise no ramo imobiliário por "culpa dos credores".

    Miguel Sousa Tavares

  • PSP apreende 11 armas e 700 quilos de droga
    0:59

    País

    A PSP recuperou mais três das 57 pistolas Glock que foram dadas como desaparecidas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, há mais de um ano. As armas foram apreendidas na última madrugada durante uma operação de combate ao tráfico de estupefacientes. Três pessoas foram detidas. Além das três Glock que pertenciam à PSP, foram aprendidas mais 11 armas e 700 quilos de droga.

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47

    Opinião

    Donald Trump admite regras mais apertadas para quem compra armas, isto após o tiroteio numa escola da Florida que fez 17 mortos. Miguel Sousa Tavares defende que os Estados Unidos da América são "uma sociedade de pistoleiros" e diz que a Associação Nacional de Rifles "gasta muito dinheiro" para conseguir que as leis não sejam mudadas no Senado.

    Miguel Sousa Tavares