sicnot

Perfil

País

Costa defende que o Governo trouxe uma nova cultura política ao país

O primeiro-ministro apresentou hoje, no parlamento, um balanço de seis meses de Governo, defendendo que gerou uma nova cultura política, com "centralidade parlamentar" e respeito "escrupuloso" pela Constituição, e sem recorrer a "ilegítimas divisões artificiais" entre portugueses.

LUSA

António Costa falava na abertura do debate quinzenal, na Assembleia da República, num discurso em que advogou que a solução política na base do seu Governo é "clara, coerente, estável" e "permitiu exprimir a inequívoca vontade de mudança contida nos resultados das eleições legislativas de 2015, criando as condições para virar a página da austeridade".

"Uma nova cultura política de Governo, inteiramente conforme com a centralidade do debate democrático e parlamentar e que faz ponto de honra do respeito escrupuloso pela Constituição e as decisões do Tribunal Constitucional", afirmou o primeiro-ministro na parte final da sua intervenção.

Numa referência à conjuntura económica e financeira, António Costa defendeu também que o seu Governo está "empenhado no respeito pelos direitos e na reposição dos rendimentos das pessoas e famílias, cumprindo critérios elementares de justiça e também estimulando a economia, através do aumento da procura interna, sem prejuízo do esforço acrescido que a desaceleração da economia mundial nos exige para crescer no mercado externo".

"Um Governo que se dirige a todos os portugueses, sem recorrer a divisões artificiais, ilegítimas e perigosas entre novos e velhos, ativos e pensionistas ou funcionários e demais trabalhadores, antes mobilizando todos em torno de uma agenda transformadora, nos domínios económico e social", referiu, aqui numa crítica ao anterior executivo PSD/CDS-PP.

António Costa disse ainda que nem sempre foi fácil cumprir os objetivos programáticos a que se tem proposto o seu executivo.

Mas "a cada dificuldade, mostrámos capacidade de a vencer. É essa resiliência que está a tornar possível virar a página da austeridade e que abre caminho para fazer de Portugal um país mais desenvolvido, mais justo e mais igual", acrescentou.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.