sicnot

Perfil

País

Execução do Programa Nacional de Reformas abre hoje debate quinzenal

O primeiro-ministro, António Costa, abre hoje o debate quinzenal, no parlamento, sendo a execução do Programa Nacional de Reformas o tema escolhido pelo Governo, numa semana marcada pelas 35 horas de trabalho e a greve dos estivadores.

TIAGO PETINGA/LUSA

A execução do Programa Nacional de Reforma - que envolve até 2020 um conjunto de investimentos na ordem dos 25 mil milhões de euros, a maioria desta verba proveniente de fundos comunitários e 6,7 mil milhões de euros de comparticipação nacional -- foi o tema escolhido pelo executivo para o debate quinzenal de hoje.

A abertura é da responsabilidade do primeiro-ministro, António Costa, num debate quinzenal em que a primeira intervenção partidária virá da bancada parlamentar do PSD e a última da bancada do PS.

O Programa Nacional de Reformas foi desenhado pelo Governo e discutido no final de abril no parlamento, tendo depois sido enviado para Bruxelas juntamente com o Programa de Estabilidade.

A reposição das 35 horas semanais de trabalho na função pública é um dos dossiês que tem marcado a atualidade política, com os partidos da esquerda a manter a exigência que a reposição entre em vigor a 01 de julho.

A votação na especialidade do diploma das 35 horas, prevista para quarta-feira, foi adiada por uma semana, a pedido do PS, por considerar que o texto ainda pode ser "afinado".

Também a greve dos estivadores do Porto de Lisboa, que levou os operadores daquela estrutura portuária a avançar com um despedimento coletivo por redução da atividade, é outro dos assuntos que tem estado no centro da discussão política nos últimos dias.

Os contratos de associação permanecem na ordem do dia, depois de na semana passada o Governo ter divulgado a lista dos colégios que vão ficar impedidos de abrir novas turmas, tendo sido este um dos temas que já marcou o último debate quinzenal, a 13 de maio, no qual o primeiro-ministro acusou o PSD de enganar as pessoas sobre esta matéria.

O último debate com a presença de António Costa também ficou marcado pelo regresso do líder do PSD, Passos Coelho, às intervenções pelos sociais-democratas, que voltou aos temas económicos e anteviu um mau resultado neste setor este ano, considerando que, sem uma correção da trajetória do Governo, nem o défice nem a dívida previstos pelo executivo serão objetivos alcançáveis.

  • Os diferentes balanços dos seis meses de Governo
    1:47

    País

    À direita e à esquerda, há diferentes balanços sobre os 6 meses de Governo chefiado por António Costa. Numa mensagem pública, o Primeiro ministro diz que o Governo tem visão estratégica, centrada na qualificação, na modernização do Estado e na erradicação da pobreza.

  • Os seis meses do Governo de António Costa
    1:51

    País

    Depois de seis meses é altura de relembrar os momentos deste Governo, tanto os bons como os maus: o fim Dos exames de 4º e 6º ano, o desaparecimento da sobretaxa do IRS de forma progressiva, o aumento o imposto sobre combustíveis, o corte no financiamento aos colégios privados e a saída do ministro da Cultura.

  • Costa convicto de "processo tranquilo de consolidação orçamental", sem planos B
    0:46

    País

    À saída do encontro com o Presidente da República em Évora, o primeiro-ministro falou aos jornalistas sobre a aprovação do plano de estabilidade e do plano nacional de reformas. Para António Costa, a consolidação far-se-á sem o conjunto de medidas que marcaram a austeridade nos últimos anos. O primeiro-ministro acredita que mais importante que o plano de estabilidade é o plano nacional de reformas porque permitirá enfrentar os problemas estruturais do país.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.