sicnot

Perfil

País

Manuel Alegre diz que Governo do PS "não é uma geringonça"

O histórico militante socialista Manuel Alegre recusou este sábado que o Governo e a maioria parlamentar de esquerda que o apoia sejam uma "geringonça" e que o termo "é uma invenção" da direita para degradar o acordo governativo.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Rafael Marchante / Reuters

Intervindo na sessão de encerramento do congresso da federação distrital do PS, que hoje decorreu em Coimbra, Manuel Alegre homenageou o líder socialista e primeiro-ministro António Costa e deixou "uma grande homenagem a Jerónimo de Sousa (secretário-geral do PCP) e também à Catarina Martins" (porta-voz do Bloco de Esquerda), pela "solução democrática" encontrada no apoio ao Governo.

"Sem esta solução, a outra seria o PS a ser capturado pela direita", afirmou Manuel Alegre, frisando que um acordo desse género seria "um atentado à razão histórica" que levou à criação do PS "que é a defesa dos mais fracos".

Manuel Alegre disse ainda que o Governo e o acordo parlamentar que o sustenta "está a ter um papel pioneiro" na Europa e que o primeiro-ministro António Costa "não provoca mas também não se deixa provocar" pelos líderes europeus e pelo setor financeiro.

"António Costa não afronta mas também não se põe de joelhos perante a Europa", sustentou.

Destacou ainda o papel do PCP e do BE que "têm aprovado soluções que não são fáceis de aprovar" mas que são o garante da estabilidade e "impedem o regresso da direita ao Governo", disse.

"Estamos a fazer uma revolução pacífica", disse.

Alegre apelou ainda à "pacificação" do PS de Coimbra, aconselhando a liderança federativa a promover o diálogo interno.

Já o líder distrital do PS de Coimbra, Pedro Coimbra - que hoje viu confirmada, no congresso, a reeleição para o cargo, obtida em lista única nas eleições diretas de 21 de maio, com mais de 87% dos votos, garantiu apoio "empenhado e dedicado" ao governo liderado por António Costa.

"A tal 'geringonça' funciona bem e tem dado um belo exemplo ao país", frisou Pedro Coimbra.

Entre outros objetivos, Pedro Coimbra quer voltar a vencer as eleições autárquicas no distrito - onde o PS possui a liderança de 12 das 17 câmaras municipais - e "contribuir para a pacificação" do PS distrital, depois das criticas à sua liderança.

A esse propósito, Pedro Coimbra revelou ter convidado António Manuel Arnaut - o anunciado candidato à Federação que desistiu antes das eleições, alegando irregularidades no processo - e outros militantes contestatários para integrarem órgãos da Federação de Coimbra "mas todos recusaram".

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.