sicnot

Perfil

País

Novo acordo garante helicóptero do INEM no distrito de Bragança

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, assinou este sábado com os 12 presidentes de Câmara do Distrito de Bragança um protocolo que acaba com os processos judiciais e garante a permanência do helicóptero do INEM em Macedo de Cavaleiros.

Desde 1 de Novembro que, por 13 vezes, helicópteros do INEM já estiveram envolvidos em missões no âmbito da emergência médica / Lusa

Desde 1 de Novembro que, por 13 vezes, helicópteros do INEM já estiveram envolvidos em missões no âmbito da emergência médica / Lusa

Tiago Petinga

O novo acordo, firmado no hangar onde está sediado o meio aéreo de socorro, coloca um ponto final em quatro anos de litigância entre os autarcas e o Governo, que se comprometem a retirar os processos dos tribunais depois de, pelo menos, 60 mil euros gastos pelos autarcas em ações jurídicas.

O ministro da Saúde considerou hoje um "ato de justiça" a permanência do meio nesta região, depois do processo desencadeado em 2012, quando o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) anunciou a sua deslocalização para Vila Real.

O helicóptero nunca chegou a ser retirado, depois de manifestações populares e de os autarcas se juntarem e apresentarem em tribunal providências cautelares e ações judiciais, que o INEM foi contestando e que foram tendo decisões contraditórias, a última das quais favoráveis aos presidentes de Câmara.

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, afirmou que o dia de hoje é "claramente é um ponto final no processo, é um ato de justiça, é um ato de tranquilidade para com a população, é sobretudo uma manifestação de confiança para quem está no Interior em condições muito difíceis de acesso aos cuidados de saúde possa, pelo menos, nesta matéria ter tranquilidade".

Para o governante, "num país que ainda, infelizmente, tem muita escassez de recursos, tem poucos meios para responder a todas as necessidades, há que definir prioridades e não considerar que (colocar) o Interior e as regiões mais desfavorecidas no topo das prioridades é um ato de injustiça".

O acordo prevê que os custos com as ações judiciais sejam divididos entre as partes, mas o ministro não tinha o "número exato" do custo para o Governo e defendeu que "não vale a pena falar das coisas mal feitas".

"Vale a pena aquilo que é a vontade de todos: resolver um problema e partir para uma nova fase. O importante é o helicóptero estar mais próximo dos sinistrados, não dos hospitais".

Ao contrário do que argumentava anteriormente o INEM, o ministro defendeu que, localizado em Macedo de Cavaleiros, "este helicóptero tem melhores condições técnicas, atmosféricas, de operação, um grande número de ativações".

Para o anfitrião e representante dos autarcas, o presidente da Câmara de Macedo de Cavaleiros, Duarte Moreno, "o dia de hoje significa que a união faz a força".

O autarca social-democrata fica "descansado" com o novo acordo alcançado com o Governo, porque há uma alínea que dita que tem de haver uma posição unanime dos 12 municípios para alterações.

Segundo disse, este meio "levanta (em média) 1,2 vezes por dia" e esta região precisa mais dele do que qualquer outra devido ao problemas das vias de comunicação e das distâncias.

"Nós para chegarmos de Freixo de Espada à Cinta ao hospital central demoramos uma hora e meia, portanto o helicóptero em dez, quinze minutos, está em Freixo de Espada à Cinta e, por isso, é que é importante estar aqui centralizada, porque não abarca só o distrito de Bragança, vai à Guarda, Viseu e ainda faz o serviço do Minho", concretizou.

Ilídio Mesquita, representante do movimento cívico que promoveu as manifestações "O Héli é Nosso", prometeu continuar "vigilante", embora esteja mais "tranquilo" e lembrou que durante três manifestações populares mostraram "pessoas desde Freixo de Espada à Cinta, Miranda do Douro, Vila Nova de Foz Côa que, se não tivesse sido o helicóptero, hoje não estariam vivas", com casos "desde crianças até pessoas com 80 anos".

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.