sicnot

Perfil

País

Automóvel incendiado condiciona trânsito no Eixo Norte-Sul, em Lisboa

Em atualização

O trânsito no Eixo Norte-Sul, saída para a Avenida Padre Cruz, em Lisboa, está ainda cortado na via da direita, devido a um incêndio num carro ao início da manhã de hoje, embora já não existam filas.

Segundo adiantou à Lusa fonte das Estradas de Portugal, apenas se encontra cortada a via mais à direita, permanecendo no local brigadas de intervenção daquele organismo, que se encontram a fazer trabalhos de recuperação, já que as barreiras acústicas sofreram alguns danos.

"O trânsito já só se encontra cortado numa via, mas como o tráfego se faz nas outras duas já não existem constrangimentos. Já não existem filas de trânsito. Agora as nossas equipas de intervenção estão a fazer alguns trabalhos de recuperação, pois o automóvel ardeu junto às barreiras acústicas, que derreteram um pouco", adiantou a mesma fonte.

O incidente deu-se ao início da manhã de hoje, pouco despois das 08:00, quando o condutor de um veículo automóvel, aparentemente devido a uma avaria mecânica que provocou o sobreaquecimento, encostou o carro na berma deixando-o arder.

O trânsito encontrou-se cortado mais de meia hora no sentido em que se deu o incidente, direção Sul-Norte, Telheiras-Camarate, em Lisboa, enquanto no sentido contrário "houve alguma lentidão", referiu a fonte.

Última atualização às 11:10/Com Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.