sicnot

Perfil

País

Diretores pedem investimento e respeito pela escola pública

Os diretores escolares reafirmaram hoje estar em condições de receber a grande maioria dos alunos que frequentam escolas privadas e desafiaram o Ministério da Educação a investir no reforço da escola pública em que confiam milhões de cidadãos.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Numa posição conjunta, as duas associações de diretores de escolas públicas (ANDAEP) e (ANDE), refutam quaisquer declarações que, expressa ou implicitamente, "tentem denegrir a imagem de uma escola" que, defendem, "deve merecer o respeito de todos os portugueses", não só pela da formação que lhes tem prestado, mas por acolher todos os alunos, sem discriminações.

Os dirigentes escolares argumentam que as escolas públicas e os seus profissionais não precisam de atacar os estabelecimentos privados para verem o seu trabalho reconhecido.

Face à polémica em torno do corte de financiamento estatal a colégios privados, decidida pelo Ministério da Educação após uma análise da rede escolar, as associações garantem que a escola pública cumpre uma missão, independentemente do número ou das condições dos alunos que recebe, "não visando o lucro, antes cumprindo uma imposição constitucional".

O movimento "Defesa da Escola Ponto", que defende o financiamento estatal de colégios privados, através de contratos de associação, organizou uma manifestação no domingo, em Lisboa, que contou com milhares de pessoas, mobilizadas em vários pontos do país.

Entre as reações e apoios, a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu, em Trás-os-Montes, que nalguns casos possa ser a escola pública a sacrificada, em vez de apenas os colégios privados, por questões que considera ideológicas.

O Estado paga 80.500 euros por ano para financiar cada uma destas turmas no setor privado, estando orçamentada para este ano uma verba total de 139,4 milhões de euros.

A origem destes contratos de associação remonta aos anos 80 quando a escolaridade se desenvolveu sem que a rede pública tivesse ainda capacidade de resposta em todo o país.

No documento conjunto, a Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP) e a Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE) afirmam que agem em nome da escola pública, de todos os profissionais que lhe dão rosto e ainda "do respeito que a mesma merece".

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.