sicnot

Perfil

País

Executivo de Matosinhos quer regulamentar circulação de transportes turísticos

A Câmara de Matosinhos vota na reunião de terça-feira uma proposta de regulamento dos circuitos turísticos no concelho, com o qual pretende compatibilizar circulação turística com transporte público.

ESTELA SILVA

"O presente regulamento pretende promover uma equilibrada compatibilização entre a circulação turística, nos diferentes modos que a compõem, e o transporte público sem fim turístico, salvaguardando acessibilidade e a fluidez na circulação", refere a proposta do pelouro dos transportes e mobilidade a que hoje a Lusa teve acesso.

O Projeto de Regulamento de Circuitos Turísticos em Matosinhos visa ainda "promover uma atenta gestão da utilização do espaço público, evitando fenómenos de congestionamento de algumas zonas urbanas mais procuradas pelos operadores turísticos".

No regulamento, a ser debatido na reunião de câmara de terça-feira, a câmara de Matosinhos determina que serão atribuídas licenças de exploração de circuitos turísticos a 40 autocarros, 50 veículos tuk-tuks e quatro comboios turísticos.

A autarquia define ainda quais os pontos de paragem e terminais dos veículos dedicados ao transporte turístico que, segundo a proposta de regulamento, poderão circular entre as 09:00 e as 22:00.

Na reunião de câmara de terça-feira será também votada a proposta do executivo para que a transportadora Resende mantenha o regime de exploração do transporte público no concelho.

"A operação da Resende, pela dimensão do seu impacto no território de Matosinhos e características próprias, tem vindo a merecer particular atenção do Município, que prevê autorizar a manutenção do regime de exploração a título provisório dos operadores privados até 3 de dezembro de 2019", pode ler-se na proposta.

Em contrapartida, a empresa terá que implementar diversas melhorias no serviço e material circulante, integrar o sistema Andante em algumas carreiras (104, 118, 119, 124 e 1300) e criar novas linhas.

Segundo o documento, ficou consensualiza a implementação de uma nova linha 124, com origem no Hospital Pedro Hispano e destino no Hospital Boa Nova.

A reunião de câmara está marcada para as 14:45 nos Paços do Concelho.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.