sicnot

Perfil

País

ISN aponta excesso de nadadores-salvadores mas concessionários queixam-se da falta deles

O comandante do Instituto dos Socorros a Náufragos (ISN) refere que há mais 3.000 nadadores-salvadores do que é necessário, mas os concessionários de praia queixam-se da falta de profissionais e dizem que a segurança está posta em causa.

(Arquivo Lusa)

(Arquivo Lusa)

LUSA

Em vésperas de arrancar a época balnear em grande parte das praias portuguesas, o comandante do ISN, Nuno Leitão, afirmou à Lusa que existem 7.400 nadadores-salvadores certificados para o exercício da atividade, quando a necessidade é de 4.100 profissionais para trabalhar nas 1.250 unidades balneares.

"Houve um decréscimo de formação e certificação em relação a anos anteriores, mas de há três anos para cá os quantitativos estão acima das necessidades reais", sustentou.

No entanto, o presidente dos concessionários de praia, João Correia, apontou como maiores dificuldades no setor "a falta de nadadores-salvadores".

"Se a Marinha diz que há excesso de nadadores-salvadores, então que os coloque nas praias. Porque o problema é que muitos vão para as piscinas e as praias acabam por ficar sem ninguém", explicou.

João Correia adiantou que as praias da Costa da Caparica (Almada, distrito de Setúbal) são as que mais sentem a falta de profissionais e, no seu entender, a segurança dos banhistas está em risco.

"Nós não formamos os nadadores-salvadores, não temos maneira de os garantir. A situação está gravíssima. A segurança está completamente posta em causa", afirmou.

Para o representante dos concessionários nacionais, a solução deveria passar pela obrigatoriedade de colocar os nadadores-salvadores a fazer um estágio em praias e só depois poderem escolher o local onde quisessem ficar a trabalhar.

"Se houvesse uma obrigação de os nadadores-salvadores irem 15 dias ou um mês para as praias e depois passarem o resto do verão onde quisessem, talvez a situação se resolvesse. Mas é a Marinha que tem de tratar disso. Esta situação entrou em rutura, completamente, e os concessionários são o elo mais fraco desta cadeia", sustentou João Correia.

Confrontado com as queixas, o comandante do ISN sublinhou que a contratação de nadadores-salvadores é "da inteira responsabilidade e obrigação dos concessionários".

"O problema aqui é que muitos concessionários têm outras prioridades e deixam para o fim a contratação de nadadores-salvadores. Depois, o que se passa é que todos já escolheram outros sítios para ficar e não há ninguém disponível para ali", explicou Nuno Leitão.

A contratação de profissionais, lembrou, depende também dos ordenados que cada concessionário oferece.

"Claro que os concessionários que oferecerem ordenados mais altos têm mais oportunidade, têm mais candidatos. Os concessionários que não tenham tanta capacidade financeira irão ter maior dificuldade em arranjar nadadores-salvadores", esclareceu.

O comandante assegurou que há equidade no valor dos salários nas praias do Norte, com menos afluência, e nas praias da Grande Lisboa e Algarve, com mais banhistas.

"Temos praias no Norte que oferecem ordenados acima dos 800 euros, como também temos zonas do Alentejo e Algarve que pagam menos de 800 euros. A média é de 800 a 1.000 euros, com direito a almoço", contou.

Nuno Leitão rejeitou que a segurança balnear esteja em risco e lembrou que a maior preocupação da Marinha são os 350 quilómetros de praias não vigiadas.

"Aqui, a Marinha faz um grande esforço para vigiá-las através de projetos implementados nestas zonas, nomeadamente o AMAROC [carrinhas de patrulha] e militares, que corresponde a um esforço de 500 mil euros em ajudas de custo e combustível", adiantou.

O comandante do ISN assegurou ainda que serão desenvolvidas várias campanhas de sensibilização para os banhistas

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.

  • Quem está ao lado de Trump? Melania ou uma sósia?

    Mundo

    A especulação surgiu no Twitter: estaria Trump acompanhado de uma sósia de Melania para ocultar a ausência da mulher num evento oficial? A teoria da conspiração ganhou depois força nas redes sociais. Julgue por si mesmo.

    SIC

  • Norte-americano entrega-se após perder aposta com a polícia no Facebook

    Mundo

    Um jovem de 21 anos procurado pela polícia norte-americana entregou-se, esta segunda-feira, depois de perder uma aposta com a polícia, no Facebook. Michael Zaydel prometeu entregar-se se uma publicação sobre o seu desaparecimento chegasse às mil partilhas, na rede social. O jovem norte-americano prometeu ainda levar uma dúzia de donuts, caso os agentes da cidade de Redford conseguissem ganhar a aposta.

    SIC