sicnot

Perfil

País

Ministério Público de Matosinhos averigua caso de morte em carrossel

O Ministério Público de Matosinhos recebeu hoje da PSP o expediente sobre a morte de um jovem num carrossel nas festas do Senhor de Matosinhos, que vai agora ser distribuído a um procurador, disseram as autoridades.

De acordo com fontes da PSP do Porto, o expediente realizado pela Unidade de Polícia Técnica e pela Divisão de Investigação Criminal da PSP do Porto foi remetido hoje para o Ministério Público de Matosinhos.

Fonte do Ministério Público de Matosinhos confirmou à Lusa que a documentação chegou e que vai ser agora distribuída a um procurador para se apurarem as causas da morte do jovem de 17 anos num carrossel nas festas do Senhor de Matosinhos, no domingo, à tarde.

O caso de domingo é o segundo envolvendo equipamentos de diversão instalados em parque de diversões da festa do Senhor de Matosinhos, depois do registado a 24 de maio de 2009, altura em que oito pessoas ficaram feridas, duas das quais em estado grave.

A origem do acidente de 2009 terá sido uma cadeira que se soltou do carrossel.

Reportando-se ao caso deste domingo, a Câmara Municipal de Matosinhos anunciou, em comunicado emitido no próprio dia, que se estavam a tomar todas as medidas para apuramento das causas da ocorrência.

No mesmo comunicado, a autarquia e a Associação para a Animação da Cidade de Matosinhos (Ancima) esclareceram ainda que "todos os equipamentos de diversão mecânica instalados na romaria do Senhor de Matosinhos estão devidamente licenciados pelas autoridades competentes".

De acordo com fonte do hospital Pedro Hispano, o jovem de 17 anos chegou àquela unidade já em paragem cardiorrespiratória. Foi ainda transportado à sala de emergência, mas não sobreviveu.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Santana Lopes rejeita responsabilidades nas falhas do SIRESP
    1:21

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Sobre o relatório do SIRESP, António Vitorino diz que há neste momento um passa culpas entre entidades que só vai contribuir para aumentar o receio das populações perante os incêndios. Pedro Santana Lopes, que era primeiro-ministro quando foi assinado o contrato da rede de comunicações, diz que não sente responsabilidades e defende que o importante é perceber o que há de errado com o SIRESP.

  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29