sicnot

Perfil

País

Condutores podem ter ponto extra quando renovarem carta se assistirem a formação

​Os condutores que renovarem a carta de condução a partir desta quarta-feira e frequentarem uma ação de formação de segurança rodoviária têm direito a um ponto extra no seu título, anunciou o secretário de Estado da Administração Interna.

(SIC/ Arquivo)

(SIC/ Arquivo)

"Qualquer um dos automobilistas que, a partir de 1 de junho, renove a sua carta de condução e se quiser frequentar uma ação de formação tem direito a um ponto positivo, ou seja, soma um ponto à sua carta de condução", disse Jorge Gomes, em entrevista à agência Lusa, a propósito do novo sistema da Carta por Pontos, que entra em vigor na quarta-feira.

O secretário de Estado adiantou que vai ser dado "um período de exceção" até novembro, em que os condutores podem frequentar a ação de formação depois da carta renovada.

"Até novembro, quem tenha necessidade de renovar a carta de condução pode frequentar um curso de formação à posterior", afirmou.

A partir desta data, sublinhou, os condutores têm que levar o certificado que comprove a frequência na ação de formação para que lhes seja acreditado mais um ponto à carta de condução, na altura da sua renovação.

Com o novo sistema da Carta por Pontos, as ações de formação de segurança rodoviária vão ser obrigatórias quando o condutor tiver cinco ou quatro pontos.

O secretário de Estado explicou que as ações de formação vão ter uma duração de 16 horas e vão ser feitas por entidades certificadas pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) e reconhecidas pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), como escolas de condução ou a Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP).

Segundo Jorge Gomes, as ações de formação não vão ter um custo tablado pelo Estado, nem existe um valor de referência.

"É a livre concorrência, cada entidade formadora irá criar o seu próprio preço", disse, realçando que as ações de formação vão existir em todo o país.

O governante afirmou que o decreto regulamentar apenas estabelece as regras de funcionamento das ações de formação, nomeadamente os critérios, quem pode dar essas ações, durabilidade, procedimentos e obrigações do condutor.

"Essas ações de formação vão permitir ao condutor poder continuar a conduzir, porque se o condutor não frequentar essa ação a carta é cassada", frisou.

O secretário de Estado disse também que estas ações de formação não têm avaliação, mas, quando se atinge os três pontos, os condutores são obrigados a fazer um novo exame de código, que tem um teste final.

Jorge Gomes destacou ainda que o novo sistema da Carta por Pontos vai "permear os bons condutores", sendo-lhes atribuído três pontos, quando não têm qualquer auto de contraordenação durante três anos.

"É uma forma de incentivar as boas práticas. Felizmente a esmagadora maioria dos condutores vão receber os seus três pontos ao fim de três anos e vão se lembrar que valeu a pena ter um bom comportamento para ter os pontos. Não é para que depois os gastem, é para que continuem a perceber que são bons condutores", disse.

Lusa

  • Circulação retomada na A23, mais de 1.600 operacionais no combate às chamas

    País

    A circulação rodoviária na A23 foi completamente restabelecida ao início da manhã depois de ter estado cortada por causa dos incêndios que, no total, mobilizam mais de 1.600 operacionais e contam com reforço espanhol. Nos vários fogos que atingem o país estão 1.648 operacionais no terreno, apoiados por mais de 500 viaturas e 15 meios aéreos.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.