sicnot

Perfil

País

Governo quer construir 17 novos centros de saúde até 2017

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, anunciou hoje que o Governo pretende construir "17 novos centros de saúde até 2017".

Regis Duvignau / Reuters

"Queremos relançar de novo a reforma dos cuidados de saúde primários", disse Fernando Araújo, na cerimónia de assinatura do contrato-programa para a construção de nova unidade de saúde do Pinhal Novo, concelho de Palmela.

O novo equipamento do Pinhal Novo (onde já existe uma extensão de saúde) integra-se no Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) da Arrábida.

Segundo o governante, em junho vai ser aberto um concurso para 14 médicos neste ACES.

Fernando Araújo acredita que a contratação de novos médicos vai permitir reduzir em 30% a 40% o número de utentes sem médicos de família (cerca de 26% no ACES Arrábida) e lembrou que, a partir de junho, utentes e médicos de família vão poder escolher os hospitais onde querem receber tratamento.

Antes, a presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), Rosa Valente, tinha também referido a intenção de renovar/remodelar meia centena de unidades de saúde, para melhorar a prestação de cuidados.

De acordo com o contrato-programa que hoje foi assinado com a Câmara de Palmela, a nova unidade de saúde será construída pelo município, mas com financiamento da ARSLVT, num terreno com cerca de 3.000 metros quadrados.

O terreno é cedido pela autarquia, na zona sul do Pinhal Novo, e a obra tem um custo estimado de 1,184 milhões de euros.

Segundo o presidente da Câmara de Palmela, Álvaro Amaro, a nova unidade de Saúde do Pinhal Novo era uma reivindicação da população local com mais de duas décadas.

"No momento em que foi inaugurada a atual extensão de saúde, já os pinhalnovenses reclamavam a construção de uma outra unidade para fazer face às necessidades da população", disse o autarca, que prometeu tudo fazer para que a nova extensão de saúde seja concluída até final do próximo ano de 2017.

Lusa

  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Concerto de homenagem às vítimas de Charlottesville
    2:17