sicnot

Perfil

País

PJ efetua seis buscas em investigação internacional contra fraude e branqueamento de capitais

A Polícia Judiciária (PJ) efetuou hoje seis buscas, incluindo a escritório de advogados, em cooperação com as autoridades italianas que investigam uma organização criminosa internacional suspeita de branqueamento de capitais, fraude fiscal e insolvência dolosa.

Segundo as autoridades italianas, a nível europeu foram realizadas mais 43 buscas, todas em simultâneo, detidas seis pessoas em Itália e apreendidos bens e valores que totalizam 11 milhões de euros, incluindo um hotel.

A operação "Barqueiro", coordenada pela Guardia di Finanza de Modena, Itália, foi desencadeada em simultâneo em vários países europeus, visando uma "associação criminosa internacional, com epicentro em Itália e com ramificações na Albânia, Eslovénia, Espanha e Portugal.

Em Portugal, refere a PJ, foram efetuadas seis buscas - domiciliárias, não domiciliárias, a viaturas e a escritório de advogados - e bloqueadas diversas contas bancárias, tendo sido apreendida diversa documentação, material informático e uma viatura.

As buscas em território português ocorreram na madrugada de hoje, tendo nela participado 24 elementos da PJ, um procurador e um juiz de instrução criminal e ainda dois elementos da Guardia di Finanza de Modena.

A investigação iniciou-se há cerca de um ano em Itália, tendo o contributo da EUROJUST, em articulação com o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e a Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da PJ

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras