sicnot

Perfil

País

Cidadãos desafiados a partilhar o que querem ver na Feira Popular de Lisboa

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, apelou à participação de todos na construção e desenho da Feira Popular, cujas obras arrancam até ao final do ano, através de uma página na Internet disponibilizada esta quarta-feira.

SIC/Arquivo

SIC/Arquivo

SIC

O site www.feirapopulardelisboa.pt, apresentado à tarde na Casa do Artista, foi criado para "fazer com que todos possam dar a sua opinião sobre o que querem ver na nova casa da Feira Popular", disse Fernando Medina.

A parte de "reconstruir a alma da Feira Popular" é, para o autarca socialista, "o processo mais importante, mais rico e mais exigente" de todo o processo, iniciado em novembro do ano passado com o anúncio da nova localização: um espaço com cerca de 20 hectares em Carnide.

Fernando Medina anunciou também hoje que, como parte do processo de requalificação da zona que irá acolher a Feira Popular, o sistema viário local "será revisto" e irá ser construído um parque de estacionamento com 1.500 lugares, "dissuasor para quem entra em Lisboa". Os terrenos em causa estão situados perto da estação de metro e de autocarros da Pontinha.

O projeto de espaço verde já está "escolhido e aprovado" e as obras do parque arrancam "antes do final do ano".

A feira está desenhada "para ter divertimentos para todos, animações mais suaves, de família, mas também para quem procura emoções mais intensas", de acordo com a câmara.

Na apresentação do site, marcaram presença várias figuras públicas, entre elas o presidente do Sport Lisboa e Benfica, Luís Filipe Vieira, o músico e artista plástico Manuel João Vieira, o realizador António-Pedro Vasconcelos e o ator Luís Aleluia.

A Feira Popular foi criada em 1943 para financiar férias de crianças carenciadas. Antes de Entrecampos, onde funcionou de 1961 a 2003, a feira esteve em Palhavã.

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.