sicnot

Perfil

País

Homem que tentou matar uma mulher com motosserra na Madeira vai a julgamento

O Ministério Público requereu o julgamento de um homem que, em novembro de 2015, tentou mantar a tia da ex-namorada com uma motosserra na freguesia do Campanário, concelho da Ribeira Brava, na Madeira, pelo crime de homicídio qualificado tentado.

© Darren Staples / Reuters

A decisão relacionada com este caso, que ficou "referenciado na comunicação social como 'crime da motosserra'", foi hoje divulgada na página da internet da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

"No essencial está indiciado que o arguido, que atuou movido de ódio contra a vítima, tia da sua ex-companheira e a quem responsabilizava pelo terminar da relação, procurou aquela e perseguiu-a, munido com uma motosserra elétrica ligada, golpeou-a, repetidamente, em várias partes do corpo com o intuito de a matar", pode ler-se na mesma informação.

Segundo a PGDL, "o resultado pretendido pelo arguido só não ocorreu porque uma das pessoas que estavam presentes no local lhe atirou pedras, uma das quais atingiu a motosserra e fez saltar uma das suas peças, encravando-a".

A vítima esteve internada na Unidade de Cuidados Intensivos do hospital do Funchal, tendo sobrevivido.

O arguido, com 19 anos, foi detido pelas autoridades policiais, aguardando o desenrolar do processo em prisão preventiva.

A investigação foi dirigida pelo Ministério Público da Ponta do Sol, na zona oeste da ilha da Madeira, com a coadjuvação da PJ do Funchal.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.