sicnot

Perfil

País

Assembleia da República chumba fim de menores nas touradas

A maioria do parlamento rejeitou hoje três projetos de lei de BE, PEV e PAN para limitar a participação em touradas e eventos do género a maiores de idade, com a bancada do PS a ter liberdade de voto.

A iniciativa de "Os Verdes", que impunha a escolaridade obrigatória a artistas tauromáquicos e seus auxiliares, teve votos contra de PS, PCP, PSD e CDS-PP, além da abstenção de 12 socialistas: Sónia Fertuzinhos, Susana Amador, António Sales, Alexandre Quintanilha, Paulo Trigo Pereira, Neto Brandão, Joana Lima, Vitalino Canas Elza Pais, Edite Estrela, António Cardoso e Carla Sousa.

Por seu turno, outros 10 deputados do PS votaram a favor, juntamente com PEV, BE e PAN: Pedro Delgado Alves, Rosa Albernaz, João Torres, Isabel Santos, Tiago Barbosa Ribeiro, Ivan Gonçalves, Luís Graça, Luís Soares, Fernando Jesus e Diogo Leão.

Os projetos de lei de BE e PAN, ambos impedindo a participação de menores em atividades tauromáquicas, mereceram também o chumbo por parte de PS, PCP, PSD e CDS-PP.

BE, PAN, PEV e 11 tribunos socialistas votaram a favor (Pedro Delgado Alves, Rosa Albernaz, João Torres, Isabel Santos, Tiago Barbosa Ribeiro, Ivan Gonçalves, Luís Graça, Luís Soares, Fernando Jesus, Carla Sousa e Diogo Leão).

Outros 10 deputados do PS abstiveram-se: Sónia Fertuzinhos, Susana Amador, António Sales, Alexandre Quintanilha, Paulo Trigo Pereira, Neto Brandão, Joana Lima, Vitalino Canas Elza Pais, Edite Estrela, António Cardoso.

O socialista Eurico Brilhante Dias absteve-se face ao texto do PAN e votou contra o do BE, o qual incluía a proibição de atividade em Portugal de matadores de touros estrangeiros.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.