sicnot

Perfil

País

CDS propõe possibilidade de conciliar a reforma com trabalho a tempo parcial

O PS deu luz verde para a discussão na especialidade do pacote legislativo do CDS sobre o envelhecimento ativo. Os 19 diplomas foram hoje debatidos, em plenário, mas acabaram por não ser votados. As medidas incluem a possibilidade de conciliar a reforma com o trabalho a tempo parcial, e alterações ao Código Civil para impedir que pessoas condenadas por maus tratos a idosos possam beneficiar da herança da vítima. O final dos trabalhos foi marcado pela despedida de Paulo Portas.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Alexandre Meneghini / Reuters

Os centristas tinham pedido consenso neste processo legislativo. O PS mostrou abertura a esse diálogo, ao deixar que as propostas sejam analisadas pelas respetivas comissões parlamentares.

O tom do debate foi de críticas à esquerda. Bloco de Esquerda, PCP e Os Verdes acusaram o CDS de fazer dos idosos uma "bandeira de ocasião", depois de os empobrecerem ao longo dos últimos quatro anos.

O ex-líder centrista voltou a defender a necessidade de reformar o sistema de Segurança Social, numa sociedade cada vez mais envelhecida.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.