sicnot

Perfil

País

João Soares considera que este "é um grande momento" na história do PS

O antigo ministro da cultura João Soares afirmou hoje, à chegada ao 21.º Congresso do Partido Socialista, que este "é um grande momento" da história do partido, considerando que o PS contribui para voltar "às origens do movimento socialista".

Em declarações aos jornalistas, João Soares afirmou ter "expectativas de que o Partido Socialista afirme a sua vitalidade e a sua força num grande momento da sua história, o 21.º congresso".

"Antigamente a idade adulta era a partir dos 21 anos, digamos que há aqui um valor simbólico neste 21.º congresso em termos da afirmação daquilo que é a unidade do partido na sua pluralidade", sustentou à chegada à Feira Internacional de Lisboa (FIL), onde decorre até domingo a reunião magna socialista.

Questionado sobre se o partido "se radicalizou", o antigo ministro da Cultura foi taxativo: "Não, de forma nenhuma".

"Nós precisamos de voltar àquilo que são as origens do movimento socialista, social-democrata e trabalhista no mundo, que foram abastardadas pelas soluções da chamada terceira via", acrescentou.

Na sua opinião, "este Governo do Partido Socialista, no apoio da esquerda representada no parlamento, está a dar um contributo muito significativo" nesta matéria, "em termos de Portugal mas também no quadro da própria Europa".

"A Europa precisa de uma esquerda que se afirme de uma forma clara em torno os seus valores para combater as desigualdades e para afirmar cada vez mais os valores da solidariedade, que tem estado ausente daquele que é o quadro europeu", vincou o antigo governante do executivo de António Costa.

João Soares afirmou também ter "confiança, sobretudo, e uma grande expectativa em relação a esta solução política de entendimento entre as esquerdas", à qual "sempre [foi] favorável".

"E até tenho a imodéstia de achar que quando tivemos responsabilidades autárquicas em Lisboa a partir de 1989, sob a presidência do doutor Jorge Sampaio, inaugurámos este modelo que se tem visto que está a funcionar bem no nosso país", declarou.

Quanto a uma eventual ausência de debate interno, João Soares considerou que "desde que se adotou já há muitos anos o modelo não eletivo [os congressos] têm menos debate interno, porque não têm controvérsia do ponto de vista eleitoral, [já que] as coisas estão decididas em termos daquilo que é a escolha da liderança".

Lusa

  • Apoiar o Governo "é um dever constitucional"
    0:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que apoiar o Governo é um dever constitucional do Presidente da República. Num balanço do primeiro ano em Belém, Marcelo respondeu assim a quem o acusa de andar com o Governo "ao colo".

  • Brexit só avança com aprovação parlamentar
    3:04

    Brexit

    O Supremo Tribunal britânico decidiu que o Governo precisa de ter a aprovação do Parlamento para avançar com o Brexit. A decisão foi validada por uma maioria de oito contra três juízes e justificada esta terça-feira pelo Supremo britânico. Por consequência, a libra esterlina atingiu a cotação mais alta do ano em relação ao dólar.

  • Primeira-ministra da Escócia apela ao voto contra a saída da UE
    2:25

    Brexit

    Depois da decisão do Supremo Tribunal britânico em relação ao Brexit, a primeira-ministra da Escócia veio pedir aos deputados que votem contra a saída da União Europeia. Nicola Sturgeon vai apresentar uma moção no Parlamento escocês para que este se pronuncie sobre o Brexit.

  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.

  • As propostas Chanel para a próxima estação
    1:34

    Mundo

    Um dos desfiles mais aguardados do mundo da moda aconteceu esta segunda-feira, em Paris, com as propostas da casa Chanel para a próxima estação primavera/verão. No final do desfile, e pela primeira vez em 30 anos, Karl Lagarfeld não deu nenhuma entrevista à comunicação social.