sicnot

Perfil

País

João Soares considera que este "é um grande momento" na história do PS

O antigo ministro da cultura João Soares afirmou hoje, à chegada ao 21.º Congresso do Partido Socialista, que este "é um grande momento" da história do partido, considerando que o PS contribui para voltar "às origens do movimento socialista".

Em declarações aos jornalistas, João Soares afirmou ter "expectativas de que o Partido Socialista afirme a sua vitalidade e a sua força num grande momento da sua história, o 21.º congresso".

"Antigamente a idade adulta era a partir dos 21 anos, digamos que há aqui um valor simbólico neste 21.º congresso em termos da afirmação daquilo que é a unidade do partido na sua pluralidade", sustentou à chegada à Feira Internacional de Lisboa (FIL), onde decorre até domingo a reunião magna socialista.

Questionado sobre se o partido "se radicalizou", o antigo ministro da Cultura foi taxativo: "Não, de forma nenhuma".

"Nós precisamos de voltar àquilo que são as origens do movimento socialista, social-democrata e trabalhista no mundo, que foram abastardadas pelas soluções da chamada terceira via", acrescentou.

Na sua opinião, "este Governo do Partido Socialista, no apoio da esquerda representada no parlamento, está a dar um contributo muito significativo" nesta matéria, "em termos de Portugal mas também no quadro da própria Europa".

"A Europa precisa de uma esquerda que se afirme de uma forma clara em torno os seus valores para combater as desigualdades e para afirmar cada vez mais os valores da solidariedade, que tem estado ausente daquele que é o quadro europeu", vincou o antigo governante do executivo de António Costa.

João Soares afirmou também ter "confiança, sobretudo, e uma grande expectativa em relação a esta solução política de entendimento entre as esquerdas", à qual "sempre [foi] favorável".

"E até tenho a imodéstia de achar que quando tivemos responsabilidades autárquicas em Lisboa a partir de 1989, sob a presidência do doutor Jorge Sampaio, inaugurámos este modelo que se tem visto que está a funcionar bem no nosso país", declarou.

Quanto a uma eventual ausência de debate interno, João Soares considerou que "desde que se adotou já há muitos anos o modelo não eletivo [os congressos] têm menos debate interno, porque não têm controvérsia do ponto de vista eleitoral, [já que] as coisas estão decididas em termos daquilo que é a escolha da liderança".

Lusa

  • Atropelamento em Copacabana fere 15 e mata bebé de 18 meses
    1:13

    Mundo

    Pelo menos uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas num atropelamento na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, no Brasil. O condutor, um homem de 41 anos, diz ter perdido o controlo do carro, invadiu a calçada, percorreu 15 metros e só parou no areal de uma das zonas mais turísticas do Brasil. A polícia militar confirmou, entretanto, em comunicado que não há qualquer indício de que se tenha tratado de um ataque terrorista e avançou que o condutor sofreu um ataque de epilepsia.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38