sicnot

Perfil

País

"A solidão é um preço que tem de se saber pagar"

XXI CONGRESSO DO PS

"A solidão é um preço que tem de se saber pagar"

Francisco Assis recusa vir a integrar os órgãos nacionais do PS e diz que a solidão é o preço a pagar por determinadas posições. O socialista reconhece unidade dentro do partido mas sem unanimismo.

"Não, obviamente, que não vou [integrar listas]. Tenho muito respeito e amizade pelo Daniel Adrião, mas o que ele pensa e o que eu penso não tem nada a ver uma coisa com outra. Não vou participar em nada em termos de listas. Não é nada disso que me move. Quero apenas exprimir-me. É uma obrigação que tenho e cumpro com alegria. É sempre bom reencontrar a minha família política mesmo quando não convergimos em questões importantes", disse, à chegada à Feira Internacional de Lisboa.

Daniel Adrião, que obteve há duas semanas 2,7% dos votos nas eleições diretas para o cargo de secretário-geral do PS e elegeu diretamente 23 delegados ao congresso, pondera concorrer autonomamente à Comissão Nacional, à Comissão Nacional de Jurisdição e à Comissão Económica e Financeira.

"Tenho as minhas convicções, a obrigação de me bater por elas. Não costumo olhar para o lado nem para trás em certo momentos da minha vida para ver se estou muito ou pouco acompanhado. A solidão política é um preço que, por vezes, temos de pagar e temos de o saber pagar. Tenho convicções muito fortes em relação a esta questão", disse Assis, reiterando a discordância com os acordos parlamentares à esquerda para viabilização do Governo PS.

Francisco Assis, que há mais de ano e meio, no mesmo local, imediatamente após António Costa ter vencido o anterior líder António José Seguro, abandonou os trabalhos da reunião magna socialista por não ter informação sobre a hora a que se poderia dirigir aos delegados, disse contar falar hoje aos congressistas pela tarde.

"É natural que, estando o partido no Governo, haja uma certa unidade em torno desta solução governativa, compreendo isso. Estou absolutamente convencido de que tenho razão na avaliação que faço e, por isso, tenho obrigação de o dizer até porque tenho um passado de intervenção política e de representação do PS (líder parlamentar, deputado, eurodeputado, autarca)", afirmou ainda.

Com Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC