sicnot

Perfil

País

Dois colégios investigados suspeitos de pressionarem alunos a defender contrato de associação

A Inspeção Geral da Educação e Ciência (IGEC) instaurou um processo de averiguações a dois colégios, por alegadamente terem pressionado alunos a participar em iniciativas de defesa dos contratos de associação com o Estado.

Arquivo SIC

"Relativamente a esta temática, atendendo aos elementos recebidos pela IGEC: Confirma-se a instauração de averiguações no Colégio Conciliar", disse hoje à agência Lusa fonte do Ministério da Educação.

Sem avançar por menores, a mesma fonte acrescentou que estão ainda instauradas averiguações noutro colégio: "Por razões que se prendem com esta investigação em concreto, não é identificado".

O Diário de Notícias noticiou hoje que a ação inspetiva decorre na sequência de denúncias segundo as quais os colégios estariam a pressionar alunos e famílias para participarem em protestos contra os cortes de financiamento anunciados pelo governo.

A decisão de reduzir o financiamento aos colégios inseridos em zonas onde existam escolas públicas com capacidade disponível tem motivado vários protestos.

Aproveitando a realização do Congresso do PS, em Lisboa, dezenas de pessoas decidiram hoje protestar à porta da Feira Internacional de Lisboa (FIL), em defesa dos contratos de associação.

Na sexta-feira, foi a vez de a Federação Nacional dos Professores (FENPROF) levar mais de 71.000 assinaturas ao parlamento em defesa da escola pública, recolhidas junto de cidadãos "com capacidade eleitoral", como frisou o secretário-geral da estrutura sindical, Mário Nogueira.

Lusa

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.