sicnot

Perfil

País

Homem interrogado pela PJ usava identificação do principal suspeito de homicídio no Seixal

O homem levado para uma esquadra da Amadora por suspeitas da autoria dos disparos no exterior de uma discoteca em Corroios, Seixal, que provocaram hoje um morto e dois feridos, usava a identificação do principal suspeito, seu familiar.

SIC

O homem foi localizado na freguesia da Mina, Amadora, e encaminhado para a Esquadra de Investigação Criminal da PSP, na qual foi ouvido por inspetores da Polícia Judiciária, embora não tenha sido formalmente detido.

Fonte policial explicou à agência Lusa que as autoridades verificaram depois que o homem usava, afinal, a identificação do principal suspeito, seu primo, além de estar ilegal no país, razão pela qual ficou detido. Segundo a mesma fonte, este homem esteve no local quando se deram os disparos, "mas nada terá a ver com o crime".

A rixa ocorreu ao início da manhã de hoje, na rua, à saída de uma discoteca, em Santa Marta de Corroios, no concelho do Seixal, distrito de Setúbal, tendo o alerta sido dado às 07:31.

O confronto aconteceu após uma festa realizada na discoteca, envolveu várias pessoas, entre seguranças e clientes, e disparos, alegadamente feitos a partir de uma viatura.

A investigação está a cargo do Departamento de Investigação Criminal de Setúbal da Polícia Judiciária (PJ).

As operações de socorro mobilizaram seis operacionais e três ambulâncias dos Bombeiros do Seixal, além da viatura médica de emergência e reanimação (VMER) de Almada e a PSP.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.