sicnot

Perfil

País

Paulo Portas vai criar conselho estratégico para a América Latina na Mota-Engil

Paulo Portas vai apoiar a Mota-Engil na internacionalização e criar e um conselho estratégico para a América Latina, disse à Lusa o presidente do Conselho de Administração do grupo construtor, António Mota.

"O dr. Paulo Portas entrará como consultor e o objetivo é apoiar-nos na internacionalização, com grande incidência na América Latina, mas também para outros mercados onde a Mota-Engil ainda não está presente", afirmou António Mota, quando questionado pela Lusa sobre quais as funções que o ex-vice-primeiro-ministro do Governo liderado por Pedro Passos Coelho iria exercer.

O responsável e acionista do grupo adiantou que Paulo Portas vai criar um conselho estratégico dentro da Mota-Engil para América Latina, que será composto por elementos do grupo e por pessoas dos países onde a empresa já está presente, como é o caso do México, Colômbia, Peru e Brasil.

A edição de hoje do Expresso diário avançou que o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros e ex-vice-primeiro-ministro vai trabalhar com a Mota-Engil e garantiu que não há qualquer incompatibilidade com o que fez no Governo.

Paulo Portas confirmou ao final do dia a informação.

Segundo o gestor, o ex-vice-primeiro-ministro e ex-líder do CDS-PP iniciará já as suas funções e deverá liderar o novo conselho estratégico logo que esteja constituído.

Quanto aos outros mercados não tradicionais no quais a Mota-Engil quer entrar também com o apoio de Paulo Portas, António Mota não quis adiantar quais.

A Mota-Engil marca atualmente presença em 22 países, repartidos por três áreas geográficas: Europa, África e América Latina, segundo a informação disponível na página do grupo na internet.

O lucro da Mota-Engil disparou para 64 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, um crescimento face aos 3,4 milhões de euros do período homólogo de 2015.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52