sicnot

Perfil

País

Provas de aferição começam hoje mas no Algarve a maioria não aplica a medida

Os alunos do ensino básico realizam hoje e na quarta-feira as provas de aferição, que este ano são facultativas, pelo que muitas escolas decidiram não as aplicar, com destaque para o Algarve.

SIC

Na região do Algarve, 57 por cento dos diretores escolares decidiu não fazer este ano as provas, ao abrigo de um regime transitório, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Educação.

No Alentejo, metade das escolas aplica as provas.

Na Área Metropolitana de Lisboa, 62% dos diretores decidiu no mesmo sentido, à semelhança de 52% na região centro e 58% no Norte.

O ministério considera tratar-se de "uma amostra significativa para proceder a uma aferição válida do sistema".

Em nota à comunicação social, o ministério informou que foi solicitada à Inspeção Geral da Educação e Ciência (IGEC) uma intervenção de apoio à organização, "de caráter meramente preventivo", com a visita a 100 escolas nos dias 02 e 03 de junho, independentemente das habituais ações de controlo nos dias das provas.

As provas começam hoje com Português e Estudo do Meio para os alunos de 2.º, 5.º e 8.º ano.

Segue-se a prova de Matemática e Estudo do Meio, na quarta-feira, dirigida aos mesmos alunos.

As provas seguem as normas anunciadas em janeiro pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, que eliminou os exames do 4.º e 6.º ano para proceder a uma avaliação das aprendizagens a meio dos ciclos de ensino, incluindo outras matérias, além de português de matemática.

Os dados divulgados pelo Ministério da Educação confirmam a leitura antecipada em abril pelos diretores escolares, segundo os quais a introdução destas provas já com o ano letivo em curso iria dividir as escolas.

Em declarações à agência Lusa, a 30 de abril, os presidentes das duas associações de diretores escolares (ANDAEP e ANDE) afirmaram que tinham decidido realizar as provas nas suas escolas, mas manifestaram a convicção de que metade das escolas optaria por não as fazer por as mudanças terem sido aplicadas a meio do ano letivo.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.