sicnot

Perfil

País

Funcionário do SIS detido em Roma vai refutar crime de espionagem

O funcionário do SIS detido a 21 de maio em Roma por alegada espionagem e outros crimes vai refutar as imputações do Ministério Público quando for interrogado pelo Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), admitiu à agência Lusa o seu advogado.

Contactado pela Lusa, o advogado José Preto revelou que juntou 11 páginas aos autos do processo, no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) nas quais invoca "um conjunto de irregularidades" relacionadas com a detenção de Frederico Carvalhão Gil em Roma.

"É tudo completamente ilegal. É tudo um disparate pegado", disse José Preto, alegando que "o que está em causa é uma absoluta ficção".

Segundo os investigadores, o funcionário do SIS é suspeito de transmissão de informações a troco de dinheiro a um agente dos serviços de informações russos, estando em causa crimes de espionagem, violação do segredo de Estado, corrupção e branqueamento de capitais.

O advogado disse ainda que "não houve troca de envelopes" no encontro em Roma entre Frederico Carvalhão Gil e um cidadão estrangeiro, que é apontado pelos investigadores como sendo alguém ligado a um serviço de informações russo.

A defesa admite porém que "houve um pagamento" que Frederico Carvalhão Gil recebeu, mas do qual "passou recibo", não estando este pagamento relacionado com os crimes que imputam ao detido.

José Preto desafiou ainda os investigadores a provarem o flagrante delito e a apresentarem as provas da venda de segredos da NATO porque o seu constituinte "não vendeu informações".

Admitiu que Frederico Carvalhão Gil vai refutar as imputações porque é "tudo aberrante".

José Preto classificou o teor do mandado de detenção europeu de "uma indigência absoluta" e lamentou que Frederico Carvalhão Gil não tenha tido, logo de início, em Itália, um acompanhamento jurídico adequado, porque até havia motivos para se opor à vinda para Portugal.

Em Itália, observou, Frederico Carvalhão Gil teve um advogado oficioso que só falava italiano e o detido "não fala em italiano".

José Preto insistiu que o processo a Frederico Carvalhão Gil constitui uma "absoluta violação de todas as normas de direito interno e de direito internacional". Referiu, por exemplo, que o MDE "não foi entregue no momento da detenção".

O advogado sublinhou que o funcionário do SIS está detido há 17 dias em regime de cumprimento de pena e que ainda não foi ouvido pelo juiz do TCIC.

Entretanto, na sua página do Facebook, José Preto critica o facto de a SIC ter acompanhado e filmado a operação policial que trouxe Frederico Carvalhão Gil a Portugal.

Escreve ainda que a versão de que o "espião" terá sido "apanhado a transacionar informação" exigia demonstração que não foi dada.

"E se houve informação da NATO ali transmitida, publiquem o respetivo registo no auto já que ali se teria tratado de detenção em flagrante", lê-se na sua página pública de Facebook.

Lusa

  • Espião português entregue por cinco agentes italianos e elementos da Interpol
    2:51

    País

    No total foram cinco agentes italianos e da Interpol que entregaram o espião português detido há 15 dias, em Roma, pela venda de informações secretas à Rússia. Frederico Carvalhão Gil foi extraditado ontem à noite pelas autoridades italianas e chegou a Lisboa acompanhado por elementos da PJ. Um repórter da SIC, que viajava a bordo do mesmo avião, captou as imagens exclusivas.

  • Espião português detido em Itália ouvido esta terça-feira em tribunal
    6:13

    País

    O espião português, Frederico Carvalhão Gil, que foi detido, em Itália, por vender documentos a um agente dos serviços secretos russos, já está em Portugal. Carvalhão Gil, aterrou em Lisboa, extraditado de Itália e acompanhado pela polícia portuguesa. O espião português viajou num avião nacional, no voo da TAP 843, e aterrou às 21:51 em Lisboa. Vai ser ouvido esta terça-feira no Tribunal Central de Instrução Criminal. Luís Garriapa, jornalista da SIC, viajou a bordo do mesmo avião da TAP e relata como foi o voo da extradição do espião português.

  • Espião português detido em Itália já está em Portugal

    País

    O espião português, Frederico Carvalhão Gil, que foi detido em Itália já está em Portugal. Carvalhão Gil, aterrou em Lisboa, extraditado de Itália e acompanhado pela polícia portuguesa. O espião português viajou num avião nacional, no voo da TAP 843, e aterrou às 21:51 em Lisboa. Carvalhão Gil irá ser ouvido esta terça-feira pelo juiz Ivo Rosa do Tribunal Central de Instrução Criminal. Até lá vai permanecer detido.

  • Espião português vai ser extraditado de Itália

    País

    O espião português apanhado em Roma a vender segredos da NATO aos russos vai ser extraditado no fim de semana. O Expresso avança que Frederico Carvalhão Gil deverá mesmo ser interrogado em Lisboa na próxima segunda-feira.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.