sicnot

Perfil

País

Governo nomeia António Valadas da Silva para presidente do IEFP

O Governo nomeou hoje António Valadas da Silva para presidente do conselho diretivo do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), que assumirá funções a partir de 14 de junho "em regime de substituição".

A 18 de maio, o anterior presidente do IEFP, Jorge Gaspar, demitiu-se do cargo, não tendo esclarecido as razões desta decisão na nota enviada aos trabalhadores do instituto, em que referiu que deixaria aquelas funções a partir de 01 de junho.

Em comunicado hoje emitido, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social sublinha "o vasto curriculum profissional e académico" deste dirigente, "sempre ligado às áreas do trabalho, emprego, assuntos sociais e formação profissional, tanto a nível nacional como internacional".

Licenciado em Direito, Valadas da Silva tem um curso avançado de Gestão Pública e um outro de Contencioso Comunitário e é técnico superior do IEFP desde 1985, tendo sido subdiretor-geral do Departamento para os Assuntos do Fundo Social Europeu entre 1987 a 1990.

Foi também conselheiro para os Assuntos Sociais na Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia em Bruxelas (REPER), de 1990 a 1998, adjunto do gabinete do ministro do Trabalho e da Solidariedade, chefe do gabinete do secretário de Estado do Trabalho e Formação e chefe do gabinete do ministro do Trabalho e da Solidariedade entre 1998 e 2001.

António Valadas da Silva foi também vice-presidente do Conselho Diretivo do Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu de 2001 a 2002 e presidente do mesmo instituto de 2002 a 2008.

Entre 2009 e 2015, foi conselheiro para os Assuntos do Trabalho e Emprego na Missão Permanente de Portugal junto dos Organismos e Organizações Internacionais em Genebra (NUOI).

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.