sicnot

Perfil

País

Temperaturas máximas descem a partir de amanhã, Santo António em Lisboa ameno

A temperatura máxima vai descer a partir de quinta-feira, sofrendo depois uma pequena subida no domingo, prevendo-se que a noite de Santo António em Lisboa seja mais quente do que as anteriores, segundo o IPMA.

© Nacho Doce / Reuters

"Na noite de Santo António, aqui para Lisboa, não está previsto que tenha chuva eventualmente, pela madrugada, poderá ocorrer chuvisco pontual, mas se acontecer será pacífico e temporário e a ocorrer, o mais provável, é ser a norte do Cabo Raso", disse Maria João Frada, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em declarações à Lusa, a meteorologista explicou que está prevista uma descida da temperatura máxima no litoral oeste já a partir de quinta-feira, na sexta-feira nas regiões do interior, e terá flutuações de dois/três graus até segunda-feira

Segundo a meteorologista, na sexta-feira, e na generalidade do território, as temperaturas máximas vão variar entre os 22 e os 25 graus Celsius, com exceção para o Alentejo, onde as temperaturas podem chegar aos 30 graus.

Maria João Frada adiantou ainda estar prevista a intensificação do vento, a soprar de moderado a forte no litoral oeste.

"Quem quiser fazer praia, além da descida da temperatura vai ter muito vento na costa ocidental, que soprará todo o dia", advertiu, sublinhando que a costa sul do Algarve vai estar melhor, as temperaturas não vão descer e o vento será uma brisa de sudoeste, na faixa costeira.

A temperatura máxima deverá descer na sexta-feira, sofrendo depois uma pequena subida no domingo. Prevê-se que a temperatura máxima em Lisboa varie entre 24 e 27 graus Celsius, em Faro e em Évora entre 27 e 32, em Viseu entre 22 e 25, Bragança 26 e que no Porto não ultrapasse 21.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18