sicnot

Perfil

País

CNE defende que juntar 1º e 2º ciclos reduz insucesso dos alunos

O Conselho Nacional de Educação (CNE) defende que o 1º ciclo devia ser de seis anos, o que permitiria consolidar conhecimentos, acabar com a "transição brusca" para o 2º ciclo e diminuir o insucesso académico.

SIC

Repensar os ciclos de ensino básico tal como estão definidos atualmente é uma das recomendações do CNE presentes no seu parecer sobre "Organização da Escola e promoção do sucesso escolar".

"A transição do 1.º ciclo para o 5.º ano de escolaridade, de um para onze professores, é um salto muito grande, com mudanças bruscas. Para muitos alunos - entre 20 a 30% - é um salto muito difícil que não conseguem dar", contou à Lusa o relator do estudo, Joaquim Azevedo.

É a pensar no sucesso académico de todos os alunos que o CNE acredita que o Ministério da Educação deveria repensar o atual modelo de ensino.

Para o CNE, o ensino primário deveria ser mais longo, para dar tempo aos alunos de consolidar as aprendizagens básicas, tal como já existe noutros países, lembrou o conselheiro do CNE, que defende que o modelo de escolaridade básica, definido em 1986, precisa de ser repensado.

Já no ano passado, o CNE tinha criticado a estrutura do ensino básico em três ciclos, por considerar que "favorecia a retenção e a construção de espirais de insucesso, sendo particularmente assinalável o caso da transição do 2º para o 3º ciclo".

Agora chama a atenção para a "transição brusca entre o 1.º e o 2.º ciclos, sendo que estes dois anos do 2º ciclo, em muitos países, foram incorporados num ensino primário mais longo e aprofundado, facilitando a consolidação dos saberes e das competências básicas adquiridas ao longo do 1º ciclo".

Outra das recomendações do CNE é dar mais autonomia às escolas para que se possam adaptar à realidade dos seus alunos e possam tomar decisões variadas tais como definir a dimensão das turmas.

O CNE entende que o Governo deve definir um limite máximo de turmas que cada escola pode criar, cabendo depois à escola desenhar as classes, tendo em conta a realidade dos alunos: "Poderia existir um grupo com 23 alunos e outro com quatro ou cinco", exemplificou Joaquim Azevedo.

O CNE recomenda também que as turmas sejam mais pequenas e que esta mudança comece pelos primeiros anos de ensino, segundo o parecer pedido pela comissão parlamentar de Educação e Ciência da Assembleia da República sobre um conjunto de iniciativas parlamentares sobre número de alunos por turma e promoção do sucesso escolar.

No entanto, "a redução do número de alunos por turma por si só é pouco eficaz para a promoção do sucesso escolar", sublinhou Joaquim Azevedo, lembrando que é preciso ter em conta as metodologias de ensino, as necessidades de recuperar quem fica para trás ou a aposta nas coadjuvações.

Menos turmas e menos professores por turma -- "para que possam acompanhar os seus alunos" -- são outras das recomendações do CNE, que entendem que neste processo é preciso contar também com a participação dos pais e encarregados de educação.

"Temos sido pouco capazes de promover a liberdade criativa das nossas escolas, em termos pedagógicos, uma liberdade caldeada na responsabilidade profissional que permita ir aplicando e corrigindo permanentemente aquilo que os coletivos de profissionais docentes, em cooperação com os pais, consideram ser o mais adequado conceber e aplicar em cada escola", defende o parecer do CNE.

Lusa

  • Milhares estreiam novo modelo de avaliação do ensino básico
    2:23

    País

    Milhares de alunos estão a estrear o novo modelo de avaliação do ensino básico.As provas de aferição realizam-se pela primeira vez no 2.º, 5.º e 8.º ano e trazem duas novidades: a avaliação oral em Português e o relatório que será entregue aos pais sobre o desempenho dos filhos. Os alunos do 2º e 5º ano fizeram a prova de manhã, os do 8º vão realizá-la às 14h30.

  • Ministro da Educação anuncia medidas para o insucesso escolar
    1:45

    País

    O ministro da Educação anunciou a criação de um sistema para ajudar crianças com insucesso escolar que passa por ter tutores a ajudá-los, em vez de serem encaminhados para o ensino vocacional. Tiago Brandão Rodrigues fez o anúnico no Parlamento, durante um debate muito marcado pela polémica em torno dos colégios privados.

  • SIC faz-se à estrada para ouvir eleitores
    2:13
  • Furacão Maria ameaça Ilhas Virgens e Porto Rico

    Mundo

    O furacão Maria "potencialmente catastrófico" está a ameaçar as Ilhas Virgens e o Porto Rico, depois de esta terça-feira ter semeado a destruição na Dominica e provocado um morto e dois desaparecidos na ilha francesa de Guadalupe.

  • Pistolas Nerf podem causar graves lesões nos olhos

    Mundo

    As balas das pistolas Nerf, quando atingem os olhos, podem causar graves lesões. O aviso é de um grupo de médicos de Londres, que recomenda a utilização de óculos protetores e o aumento da idade mínima para a utilização dos brinquedos.

    SIC

  • Investigadores descobrem como transformar gordura "má" em gordura "boa"

    Mundo

    Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, Estados Unidos, descobriu como converter a gordura corporal "má" em gordura "boa", permitindo queimar mais calorias e atrasar o aumento de peso, num estudo conduzido em ratos. Estes resultados abrem caminho para a possibilidade de desenvolver tratamentos mais eficazes para a obesidade e para a diabetes associada ao aumento de peso em pessoas, segundo os autores.

  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC