sicnot

Perfil

País

Hospital de Faro fica sem serviço de neurocirurgia nos próximos dias

O Hospital de Faro não vai ter serviço de neurocirurgia nos próximos dias, incluindo durante o fim de semana, porque não está nenhuma equipa escalada para o serviço de urgência, disse hoje à Lusa a diretora em gestão daquela especialidade.

Hospital de Faro.

Hospital de Faro.

"É uma situação crítica, e o hospital vai mesmo ficar sem o serviço, porque não há condições para trabalhar", alertou a diretora em gestão do serviço de neurocirurgia do Hospital de Faro, Alexandra Adams.

Na opinião da responsável, o facto de não ter sido acautelada a presença de uma equipa de neurocirurgia nas urgências, "é de particular relevo, numa altura de fim de semana prolongado em que a região do Algarve é um dos destinos turísticos mais procurados do país".

Durante o feriado e fim de semana, o Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, acolhe a ronda portuguesa do campeonato do Mundo de resistência de motociclismo, onde participam cerca de 100 pilotos, e onde são aguardados cerca de 50 mil espectadores.

Alexandra Adams, que em março pediu a demissão do cargo de diretora do serviço de neurocirurgia do Hospital de Faro, "por falta de condições para assegurar o serviço", referiu que a "situação se tem agravado, apesar de ser do conhecimento do conselho de administração, da administração Regional de Saúde de Faro e do próprio Ministério da Saúde.

Segundo Alexandra Adams, continuam a faltar anestesistas e um conjunto de circunstâncias para assegurar o serviço, e acusa o conselho de administração do hospital de "não ter tido abertura para ouvir e analisar as soluções que lhe têm sido apresentadas".

A cirurgiã acrescentou que, "além da falta de anestesistas, há uma série de problemas, como a incapacidade para resolver o problema dos doentes que esperam há meses para serem operados, e que se agravaram com a entrada em funções do novo conselho de administração".

A médica desafiou ainda o ministro da Saúde a tomar uma posição e a pronunciar-se sobre os problemas existentes no Hospital de Faro.

A Lusa tentou ouvir a administração do Hospital de Faro, mas não obteve qualquer resposta.

Lusa

  • Mulher queixou-se de agressão e morreu horas depois em Faro
    1:12

    País

    A Polícia Judiciária está a investigar a morte de uma mulher de 37 anos, em Faro. Ana Rodrigues queixou-se de agressão esta manhã e, acabou por morrer horas depois no hospital. A vítima, que sofria de problemas cardíacos, não apresentava lesões exteriores relevantes.

  • Família de doente que morreu após AVC no Hospital de Faro exige explicações
    1:55

    País

    O doente que foi transferido do Centro hospitalar do Algarve para o Hospital de Coimbra na sequência de um AVC morreu esta madrugada. A família diz que Sebastião esteve cinco horas à espera de transporte e exige explicações de várias entidades, nomeadamente do Hospital de São José, que terá recusado receber o doente depois das 20:00.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.