sicnot

Perfil

País

PR desvaloriza falta de acordo quanto ao texto relativo às sanções

PR desvaloriza falta de acordo quanto ao texto relativo às sanções

O Presidente da República desdramatiza a falta de acordo no Parlamento quanto ao texto comum contra as sanções europeias a Portugal.Marcelo Rebelo de Sousa diz que teria sido preferível um entendimento, mas o que interessa é que todos concordam no conteúdo. Declarações feitas esta manhã durante o arranque oficial das cerimónias do 10 de Junho, em Lisboa.

  • Parlamento sem consenso contra sanções
    1:19

    Economia

    No Parlamento, a esquerda e a direita não se entenderam e não vão aprovar um texto único contra eventuais sanções europeias. Passos Coelho acusa PS, PCP e BE de terem dificuldade em reconhecer os méritos do anterior governo.

  • PCP tem dúvidas que partidos cheguem a consenso sobre sanções
    1:16

    Economia

    O presidente da Assembleia da República espera que ainda hoje surja um texto comum a todos os partidos sobre as eventuais sanções de Bruxelas a Portugal. Ferro Rodrigues espera que haja um consenso. O PSD e o CDS defendem um projeto de resolução, mas os restantes partidos querem um voto de condenação. O PCP tem dúvidas que os partidos cheguem a um consenso sobre a imposição das instituições aos Estados soberanos.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.